Marta e Bárbara

Marta perdeu o quinto pênalti, mas defesa de Bárbara deixou o Brasil vivo (Foto: GUSTAVO ANDRADE / AFP)

Enrico Bruno
13/08/2016
02:04
Belo Horizonte (MG)

Tinha tudo para ser um desfecho trágico na noite desta sexta-feira em Belo Horizonte. Com o Mineirão lotado, o Brasil seria eliminado para a Austrália nos pênaltis com direito a cobrança perdida pela craque Marta. Mas não foi bem assim. Abaixo das traves, a goleira Bárbara cresceu diante das adversárias e defendeu os chutes de Katrina Gorry e Alanna Kennedy, garantindo a vitória brasileira por 7 a 6. Responsável direta pela classificação às semifinais, a arqueira comentou o que passou por sua mente no momento das penalidades e disse que pensou em Marta para ganhar forças e não permitir que uma injustiça caísse sobre a seleção feminina.

- Quando a Marta perdeu o pênalti, achei que minha responsabilidade aumentou ainda mais. Eu me cobro muito e gosto de dar o meu melhor sempre em tudo que faço. Quando ela perdeu, pensei que ela não poderia ser injustiçada por causa de uma eliminação. Ela é extraordinária e não poderia ser julgada por causa disso. Pedi forças para Deus e fui muito feliz ao defender – comentou a goleira.

Desde que foi convocada pelo técnico Vadão para a disputa dos jogos, a goleira marcou na pele os anéis olímpicos e a escrita Rio 2016. Adepta das tatuagens e piercings, a goleira não quer parar por aí e sonha em dar o próximo passo.

Quando fui convocada, quis tatuar as Olimpíadas de 2016. Isso foi quando saiu a lista das 18 jogadoras que iriam atuar. Agora, se Deus quiser, ainda vou tatuar uma medalha de ouro no corpo – disse.