canindé vazio, portuguesa

Com salários atrasados, jogadores voltarão ao Canindé na próxima terça-feira para decidir permanência na Copa do Brasil (Foto:Rodrigo Gazzanel/Futura Press)

Melissa Gargalis
22/04/2016
07:45
São Paulo (SP)

Pouco mais de dois anos passaram-se desde que a Portuguesa foi rebaixada à Série B do Campeonato Brasileiro, em dezembro de 2013. De lá para cá, o torcedor da Lusa sofreu com uma série de resultados negativos dentro e fora de campo. No início desta semana, veio a público mais uma questão problemática. Jogadores revelaram que o clube não vem cumprindo com o pagamento de salários e direitos de imagem.

- Todo mundo está com salário atrasado, todos os jogadores estão - disse o zagueiro Luan Peres, em entrevista ao LANCE!.

O jogador, que participou da derrota da Portuguesa para o Parnahyba-PI por 2 a 1, no dia 13 de abril, pelo jogo de ida da Copa do Brasil, fora de casa, lamentou os atrasos de salário e direitos de imagem. Formado nas categorias de base do clube, Luan ainda mostrou-se bastante incomodado com a falta de comunicação da diretoria com os atletas.

- Até agora ninguém foi no CT dar as caras para falar com os jogadores sobre o salário e o planejamento para a Série C. Ninguém deu as caras, ninguém foi lá no CT explicar nada. Não tem nem de quem nós cobrarmos também. Estamos esperando aparecer alguém para falar do planejamento, porque o ano continua. Temos o jogo da Copa do Brasil (na próxima terça, dia 26) e daqui um mês começa o Campeonato Brasileiro, então, alguém tem que arcar com as responsabilidades. Fornecer o melhor planejamento para que possamos fazer um bom trabalho - afirmou o zagueiro, ressaltando que os jogadores estão unidos para tentar resolver o problema:

- Estamos tomando algumas decisões, o grupo vem conversando para resolver isso. Temos família e responsabilidades. Tem jogador que teve que falar para a esposa voltar para casa porque não estava dando para mantê-las aqui - concluiu Luan.

Depois de levar o caso para o Sindicato de Atletas Profissionais do Estado de São Paulo (SAPESP), que denunciou o clube no Superior Tribunal de Justiça (STJ-SP), os jogadores esperam que a Portuguesa consiga quitar os atrasos. Caso isso não aconteça, poderá ser aplicada a punição da perda de quatro pontos no Campeonato Paulista da Série A2. A consequência seria um novo rebaixamento para o clube, uma vez que a equipe encerrou sua participação na Segunda Divisão na 13ª colocação, com 24 pontos, apenas dois acima do Paulista, primeiro rebaixado.

Buscando evitar o pior desfecho, o assessor da Portuguesa, Felipe Higino, disse que o clube está trabalhando para saldar a dívida com os atletas. 

- O clube está correndo atrás para pagar os salários. Não é interessante manter isso atrasado. Já vinha-se fazendo isso e vai continuar. A ideia é pagar todo mundo o quanto antes - alegou.

Em meio a indefinições que rondam a equipe rubro-verde, o time deve recuperar o foco para seguir vivo na Copa do Brasil. A Lusa volta a campo na próxima terça-feira (26), às 21h30, no Estádio do Canindé. Com os portões fechados, por conta de uma penalidade pela confusão com o Vila Nova-GO, nas quartas de final da Série C do Campeonato Brasileiro do ano passado, a Portuguesa terá que, obrigatoriamente, vencer o time do Piauí por 1 a 0 ou dois ou mais gols de diferença. Caso triunfe por 2 a 1, a decisão será nos pênaltis. Vitória por um gol de diferença, mas levando dois ou mais, o time lusitano será eliminado.