Leilão do Canindé aparece como oferta nos classificados (foto: Reprodução/O Estado de S.Paulo)

Leilão do Canindé aparece como oferta nos classificados (foto: Reprodução/O Estado de S.Paulo)

LANCE!
30/10/2016
16:03
São Paulo (SP)

Mais uma notícia ruim para os torcedores da Portuguesa. Após o rebaixamento para a Série D do Brasileiro, a Lusa corre o risco de perder seu estádio. O jornal O Estado de S.Paulo divulgou neste domingo, em sua página de classificados, os detalhes sobre o leilão de parte da área que empreende o Canindé. 

A situação foi motivada pelas dívidas trabalhistas que a Portuguesa acumulou ao longo dos últimos anos. Apenas 45% do terreno pertence à Lusa - parte que está penhorada por ações trabalhistas da advogada Gislaine Nunes, que faz a defesa dos ex-jogadores que entraram na Justiça contra o clube. 

As partes chegaram a fazer um acordo. Porém, com a entrada de Ilídio Lico na presidência, em 2014, a Lusa ficou inadimplente. Desse modo, a área foi oferecida como garantia. A ação original, de 2002, é de autoria do ex-jogador Tiago de Moraes Barcellos.

Em junho, o LANCE! falou com um dos conselheiros do clube, Alexandre Barros. Segundo ele, o então presidente José Luiz Ferreira de Almeida buscava investidores para comprar a área. No entanto, não havia transparência da direção em relação ao conteúdo das propostas.

- Existem propostas de empresas multinacionais que estão caminhando para que haja uma parceria com a Portuguesa, ou seja, a modernização da área. Construção de arena, de shopping, de hotel, de torres e que diminua a área associativa do clube para que possa render e todas as dívidas serem pagas desta forma. Mas quais são as propostas? Quais são as empresas? Eu, como conselheiro, não tenho esse conhecimento. O COF (Conselho de Orientação e Fiscalização) também não, muito menos o torcedor - disse Barros. 

José Luiz renunciou no dia 10 de outubro. Leandro Teixeira Duarte assumiu a presidência de forma interina até as novas eleições, marcadas para janeiro de 2017. A reportagem procurou a atual gestão e a advogada dos atletas, mas ambos não preferiram não se manifestar.

Enquanto isso, a torcida da Portuguesa segue sob o risco de perder sua casa. O leilão será realizado no dia 18 de novembro, às 14h, através da empresa Fidalgo Leilões. O valor inicial é de R$ 74 milhões, sendo 30% no ato da compra e o restante em até 30 parcelas. Por ora, não há lances registrados.