Organizada Paraná (Foto: Reprodução / Facebook)

Facção faz alerta: 'Conhecemos corpo mole de jogador safado' (Foto: Reprodução / Facebook)

RADAR / LANCE!
12/11/2015
12:45
Curitiba (PR)

Os desdobramentos da má campanha do Paraná Clube na Série B chegaram às arquibancadas. Em nota emitida nesta quinta-feira, a facção Fúria Independente divulgou mensagens em tom de ameaça caso a equipe seja rebaixada ao final da competição, e questionaram a conduta atual de alguns jogadores:

"Para vestir nossa camisa, tem que ter no mínimo raça. E que será cobrada ao extremo nestas três últimas rodadas. Se não correr, não lutar e não comer a p... da grama, o bicho vai pegar. Não estão recebendo em dia? Não tem uma boa condição de trabalho? Então terão que correr, nem que seja na marra. Já estamos de saco cheio de jogador bunda mole. O risco de cair apareceu por única e exclusiva falta de vontade desses pangarés. Agora, se virem nos trinta".

Atualmente, os paranistas ocupam a 13ª colocação, com 43 pontos, quatro a mais que o Macaé, primeira equipe que está no Z4 da Série B. A organizada reconhece os limites financeiros do clube, mas volta a utilizar um tom agressivo ao falar do atual elenco:

"Sabemos que o time foi montado em cima da hora. Sabemos que não é o Paraná que está pagando os jogadores. Sabemos que trabalharam com teto salarial reduzido e que acabou limitando a qualidade do elenco. Mas também conhecemos bem corpo mole de jogador safado".

A facção também fez cobranças aos torcedores, exigindo a presença maciça no Estádio Durival de Britto:

“Também estamos cansados de tanto torcedor chorão, que só sabe reclamar. Como citamos para vocês, a fase é a mais complicada da história. Ou muda ou fecha. Se fizermos a lição de casa nos dois jogos que temos na Vila (Capanema), tá resolvido. Prefere ir pro estádio ajudar agora, ou quer ficar chorando depois a terceira divisão no Facebook?”

Na nota, a Fúria Independente também se manifestou sobre o impasse da venda do patrimônio do Paraná. Aos olhos dos torcedores, o futebol é a prioridade em detrimento à venda das sedes.

“Vamos lá. A CBF comunicou todos os clubes que as CND’S (Certidões Negativas de Débitos) serão obrigatórias para disputar todos os campeonatos regidos por ela. Isso significa quitar ou parcelar todas as imensas dívidas trabalhistas, fiscais e tributárias do clube. Em decorrência disso e pelo tamanho da dívida, temos duas opções: ou acabamos com o social, ou com o futebol. Após 25 anos de gestões amadoras, a única solução que nos resta é vender mais um patrimônio e, mesmo assim, vemos muitos torcedores contra a venda da sede social. Pergunta: vocês serão fracos como os torcedores dos sete times que nos deram origem que deixaram eles acabarem? Por um clube social sucateado e falido frequentado por meia dúzia de saudosistas que, na sua esmagadora maioria, nem torcem pelo Paraná? Nós não vamos. E você?”

Diretor financeiro do clube eleito em setembro, Leonardo Oliveira também recebe um aviso quanto à formação da equipe:

“Um recado para a próxima diretoria: agora vocês têm tempo, coisa que não tiveram para trabalhar este ano. Ou vão mostrar que sabem fazer, ou serão iguais a todos os outros, sem exceção. Prazo de validade: 2016.”