vitinho palmeiras

Vitinho treina no elenco profissional desde semana passada (FOTO: Cesar Greco/Palmeiras)

Fellipe Lucena
08/05/2016
08:00
São Paulo (SP)

Foi em uma pequena quadra perto de casa, na Cohab Taipas, Zona Norte de São Paulo, que Vitinho foi apresentado ao futebol. E é de lá que ele sai todos os dias, de transporte público, para viver o sonho de ser jogador profissional do Palmeiras, ainda aparentando não ter a dimensão exata da mudança que sua vida está prestes a ter.

- Eu venho para cá sozinho, de ônibus público mesmo. Eu meto um bonezinho ou uma touca e fico tranquilo. Quando começarem a me reconhecer, aí vou ver que está começando a ficar um pouco mais sério - disse ele, ao LANCE!.

Há alguns dias, o destino deixou de ser o CT da base, em Guarulhos, e passou a ser a Academia de Futebol. O garoto de 18 anos agora tem jogadores como Fernando Prass, Zé Roberto, Dudu e Barrios como companheiros de trabalho, mas não esquece de onde veio:

- De vez em quando ainda vou na quadrinha, dou uma brincada para relembrar os velhos momentos. Eu era o mais novo, meus amigos são mais velhos que eu e estou sempre aprendendo muito com eles, foram eles que me ensinaram a jogar.

O torcedor mais atento certamente já conhece o meia para quem Cuca promete dar chances. Destaque do Verdão na Copa São Paulo Júnior deste ano e constantemente chamado para Seleções de base, a joia ganhou o prêmio de melhor jogador do Torneio Internacional de Bellinzona, vencido pelo clube recentemente, na Suíça. Há poucos dias, recebeu aumento e renovou até 2021.
Nem parece que tudo começou de maneira despretensiosa, só pelo prazer que o menino sente desde os quatro anos ao correr atrás da bola.

- Era uma brincadeira. Nunca levei muito a sério, só jogava porque gostava,
nem sabia que tinha futebol profissional. Foi uma coisa que aconteceu conforme o tempo.

Confira um bate-bola com Vitinho:

Como começou sua trajetória aqui no Palmeiras?
Foi na famosa peneira. Assinei um papel e fui selecionado. Fui direto para Guarulhos, no CT da base, cheguei, treinei um dia e já me aprovaram.

Lembra bem desse treino?
Cheguei atrasado no treino, porque não tinha ninguém para me levar e fui de ônibus, sozinho. Cheguei lá atrasado, coloquei uma chuteira e fui para o campo, os moleques já estavam jogando. Nem aqueci, nem alonguei, nem nada. Joguei bem, graças a Deus.

Aprovado, continuou indo de ônibus lá para Guarulhos?
A maioria das vezes eu ia de ônibus. Saía de casa, pegava um ou dois ônibus... Acho que foi uma vida muito sofrida, mas tenho muito prazer de estar vivendo isso. Só quem sabe o que passou pode ter história para contar. O pai do meu amigo Augusto, que hoje está aqui junto comigo, às vezes me levava para o treino.

Já conversou com o Cuca?

No dia em que eu subi ele me chamou na sala dele para conversar, perguntou como eu gostava de jogar. Falei para ele onde eu gosto de ficar dentro de campo. Ele falou que vai me ajudar bastante, vai corrigir meus erros e vai me dar oportunidade.

O pessoal te deu trote? Vi que você está com o cabelo menos ousado... Foi forçado a cortar?

Eu que decidi mesmo (risos). Tem sempre brincadeira por eu ser mais novo. Sei levar na esportiva. Já tinha treinado com eles algumas vezes.
Enquanto ele falava, João Pedro e Thiago Martins passaram perto e brincaram sobre o penteado do colega: “Decidiu cortar nada! Foi na pressão!”, brincou o zagueiro, para risos dos demais.

A TRAJETÓRIA DO GAROTO:

Prazer, futebol
Vitinho tinha quatro anos quando começou a frequentar a quadrinha perto de casa, na Cohab Taipas, onde mora até hoje. “Foi a primeira vez que dei um chute numa bola de futebol. Me apaixonei e estou chutando até hoje”, diz.

No campo
Aos 11 anos, Vitinho começou a jogar futebol de campo no TC Liderança, escolinha localizada em Pirituba.

Peneira
Em 2011, o jovem participou de uma peneira no CT da base do Palmeiras, em Guarulhos. Sem carona, pegou ônibus e chegou quando o treino já havia começado, mas mesmo assim foi aprovado.

Promovido
Destaque na base, chamou a atenção de Cuca e subiu ao elenco principal aos 18 anos.