icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
11/07/2013
08:31

Gilson Kleina precisa se desdobrar diariamente para dar atenção a todos os jogadores do Palmeiras: são mais de 40 trabalhando na Academia de Futebol. O número só tem aumentado, apesar de a comissão técnica e a diretoria buscarem soluções para enxugarem o grupo.

Com relação ao time que terminou o primeiro semestre, apenas três atletas saíram: o zagueiro Mauricio Ramos, que foi para o Sharjah (EAU), o atacante Kleber, que voltou ao Porto (POR) e deve ser negociado com outra equipe brasileira, e o meia Chico, emprestado ao Santo André. A ideia é emprestar outros jovens e se desfazer de alguns atletas que não estão nos planos, mas nem tudo tem saído como o planejado.

O atacante Maikon Leite, por exemplo, seria emprestado para o Umm-Salal (QAT), mas voltou a trabalhar no clube porque a negociação estacionou. A diretoria não vai dificultar a liberação, mas a possibilidade de permanecer com ele não está descartada. Outro reforço inesperado é o meia Patrik, que estava emprestado até novembro para o Gangwon, da Coreia do Sul, mas foi dispensado. Ele não deve ser utilizado, mas será parte do elenco até encontrar um novo clube.

Além disso, há nomes que estão deixando boa impressão na volta ao clube: o lateral-direito Luis Felipe retornou de empréstimo ao Penapolense e reiniciou a Série B como titular. O volante Renato, que passou pelo Moreirense (POR), e o lateral-esquerdo Victor Luis, ex-Porto (POR), estão sendo observados e também devem ser mantidos.

Somando os reforços mais recentes - Mendieta, Alan Kardec, Eguren e Felipe Menezes - o elenco alviverde tem 46 jogadores no momento. Alguns, como Ayrton, treinam com a certeza de que não serão utilizados nas partidas. O lateral-direito estava sendo negociado com a Portuguesa em troca de Luis Ricardo, mas as tratativas congelaram. Enquanto não houver um desfecho, ele não será relacionado.

Gilson Kleina precisa se desdobrar diariamente para dar atenção a todos os jogadores do Palmeiras: são mais de 40 trabalhando na Academia de Futebol. O número só tem aumentado, apesar de a comissão técnica e a diretoria buscarem soluções para enxugarem o grupo.

Com relação ao time que terminou o primeiro semestre, apenas três atletas saíram: o zagueiro Mauricio Ramos, que foi para o Sharjah (EAU), o atacante Kleber, que voltou ao Porto (POR) e deve ser negociado com outra equipe brasileira, e o meia Chico, emprestado ao Santo André. A ideia é emprestar outros jovens e se desfazer de alguns atletas que não estão nos planos, mas nem tudo tem saído como o planejado.

O atacante Maikon Leite, por exemplo, seria emprestado para o Umm-Salal (QAT), mas voltou a trabalhar no clube porque a negociação estacionou. A diretoria não vai dificultar a liberação, mas a possibilidade de permanecer com ele não está descartada. Outro reforço inesperado é o meia Patrik, que estava emprestado até novembro para o Gangwon, da Coreia do Sul, mas foi dispensado. Ele não deve ser utilizado, mas será parte do elenco até encontrar um novo clube.

Além disso, há nomes que estão deixando boa impressão na volta ao clube: o lateral-direito Luis Felipe retornou de empréstimo ao Penapolense e reiniciou a Série B como titular. O volante Renato, que passou pelo Moreirense (POR), e o lateral-esquerdo Victor Luis, ex-Porto (POR), estão sendo observados e também devem ser mantidos.

Somando os reforços mais recentes - Mendieta, Alan Kardec, Eguren e Felipe Menezes - o elenco alviverde tem 46 jogadores no momento. Alguns, como Ayrton, treinam com a certeza de que não serão utilizados nas partidas. O lateral-direito estava sendo negociado com a Portuguesa em troca de Luis Ricardo, mas as tratativas congelaram. Enquanto não houver um desfecho, ele não será relacionado.