Palmeiras, Vitor Hugo (Foto:Reginaldo Castro/LANCE!Press)

Vitor Hugo tentou ser menos sorridente na entrevista desta terça (Foto:Reginaldo Castro/LANCE!Press)

LANCE!
23/02/2016
15:28
São Paulo (SP)

O sempre sorridente Vitor Hugo praticamente não fez brincadeiras durante sua entrevista coletiva nesta terça-feira, na Academia de Futebol. Incomodado com as críticas recebidas pelo Palmeiras após cinco partidas sem vencer (quatro empates e uma derrota), o zagueiro se esforçou para ser mais sério.

- É, cara... O momento não é fácil, não. Não dá para ficar brincando. Eu tenho que estar e estou um tanto quanto muito sério - explicou.

Vitor Hugo não considera que o elenco e o técnico Marcelo Oliveira estejam mais pressionados que o normal para o jogo contra o XV de Piracicaba, nesta quinta-feira, no Barão de Serra Negra, pela sexta rodada do Paulistão. Segundo ele, a pressão é diária, principalmente porque "derrotas têm mais peso que vitórias" no clube.

- Ah, pressão a mais, cara? Acho que não. Nosso time sempre trabalha sob pressão. Se a gente perder para o XV, vai ser: "Nossa! O Palmeiras perdeu". Se a gente ganhar, vão dizer que era obrigação. Aqui, o peso da derrota é muito maior do que o da vitória. Quando a gente ganha de times pequenos, dizem que é obrigação. Por que obrigação? Eles também têm 11 jogadores. Tinha que dosar isso.

- Acho sempre que o principal jogo é o seguinte. O jogo contra o XV com certeza é o jogo mais importante de todas as nossas vidas, não só do Marcelo, mas da minha, de todos. Acho que a gente tem que trabalhar para fazer o melhor e deixar as coisas acontecerem naturalmente - comentou o zagueiro.

Vitor também se incomoda com o direcionamento das críticas ao sistema defensivo e com o momento de instabilidade de Marcelo Oliveira.

- Me sinto muito cobrado e muito incomodado. Não adianta eu receber elogios e o sistema defensivo receber tanta crítica. Todo jogo é paulada. A gente acaba cansando disso. Quando toma gols, não é só o sistema defensivo. Costumam dizer "vacilos da defesa, vacilos defensivos", mas não é assim. Quando faz o gol, não é só o atacante, começa lá do tiro de meta do goleiro. Os atacantes também fazem parte da defesa, todo mundo tem que ajudar. Fico muito incomodado quando dizem que o sistema defensivo não foi bem, porque estamos tentando fazer o melhor.

- Essa coisa do professor estar balançando incomoda um pouco porque a gente está com ele. Ele está fazendo um bom trabalho e temos que confiar nele. Isso não é legal.