Fellipe Lucena
01/06/2016
08:00
São Paulo (SP)

O Palmeiras fechou as contas do mês de abril com lucro de R$ 6,2 milhões, elevando o superávit acumulado neste ano para R$ 25,4 milhões.

O resultado é ótimo do ponto de vista contábil, mas o clube ainda enfrenta problemas com o fluxo de caixa. Isso acontece porque nem todo o valor que é considerado superávit está à disposição para uso imediato.

Por isso, o presidente Paulo Nobre emprestou mais de R$ 9 milhões ao clube em janeiro, além do valor que ele injetou para suprir a falta do pagamento da Crefisa, que ficou suspenso por três meses enquanto as partes discutiam a inclusão de aditivos no contrato de patrocínio. Os R$ 19,5 milhões que ficaram atrasados já foram depositados pela empresa e serão usados, em grande parte, para pagar o presidente.

A situação, porém, é confortável ao ponto de permitir que as negociações com Globo e Esporte Interativo pelos direitos de transmissão do Brasileiro em TV fechada a partir de 2019 se arrastem e que o clube tope abrir mão de luvas para receber um valor anual mais robusto. A busca é pela proposta mais vantajosa.

As luvas, geralmente, são um adiantamento de parte do valor total do contrato. Desde que assumiu a presidência, em 2013, Paulo Nobre tem como princípio não comprometer as receitas das gestões futuras.