Roger Carvalho

Roger com a bola contra Ricardo Oliveira. Zagueiro foi um dos melhores contra o Santos (Foto: Cesar Greco)

Thiago Ferri
25/02/2016
08:00
São Paulo (SP)

Destaque contra o Santos, Roger Carvalho fará nesta quinta-feira, às 21h30, contra o XV de Piracicaba, a sua quarta partida como titular no Palmeiras. Pronto para se firmar no Verdão, o zagueiro de 29 anos teve um caminho complicado até chegar à Academia de Futebol. Ao LANCE!, ele lembrou alguns dos “causos” de sua carreira.

Um dos principais foi vivido por ele em sua primeira ida à Europa, no Olivais e Moscavide, de Portugal. Aos 21 anos, o zagueiro, seduzido pela boa oferta, foi para o Velho Continente, mas quando chegou sofreu mais do que o esperado.

– Ali foi uma barca furada (risos). Prometeram uma coisa e era totalmente diferente. Um mês não pagaram, eles me prometeram um salário e no fim era outro. Não tinha como eu comprar comida para me alimentar, o básico – contou Roger, ao L!.

– Morava em um apartamento do clube do lado do nosso campo e a torcida gostava de mim. Eles tinham uma associação perto da minha casa e em todo almoço eles se reuniam lá e faziam uma comida pesada. Mocotó, vinho e tudo mais. Eu olhava da janela e ia para lá. Eu chegava, como quem não quer nada, e eles me chamavam para comer. Era tudo que eu queria escutar (risos) – afirmou.

De volta ao Brasil, Roger jogou no Guarani de Divinópolis e lá teve até de sair por um bote com o corpo de bombeiros do alojamento graças a uma forte chuva na cidade mineira. Seu momento de maior destaque veio depois, no Figueirense. Do time catarinense, ele rodou por Genoa (ITA), Bologna (ITA), São Paulo, em uma passagem atrapalhada por problemas físicos, e Vitória, até o Botafogo, onde ganhou a Série B de 2015.

Depois da montanha russa que viveu na carreira, Roger quer enfim se estabilizar no clube de Palestra Itália. Sem chamar a atenção, o zagueiro tomou a vaga que era de Leandro Almeida, barrado após falhar contra o São Bento e tem feito bons jogos.

Até Edu Dracena se recuperar da lesão que sofreu na panturrilha direita, será ele o titular ao lado de Vitor Hugo – esta, inclusive, é a dupla que mais jogou no ano. Com tantos “causos” vividos, ele promete dar muitas alegrias à torcida.

– Estar em um grande clube como o Palmeiras é gratificante, a realização de qualquer atleta. Por isso sempre vou dar meu máximo e fazer tudo para ajudar este manto do Verdão.

Roger Carvalho
Roger Carvalho na Academia de Futebol (Foto: Cesar Greco)

Confira um bate-bola exclusivo com Roger Carvalho:

Você ficou ‘preso’ no alojamento do Guarani? O que aconteceu?
Nós morávamos embaixo da arquibancada, tinha seis, sete metros da janela para o chão, não dava para pular. Foram vários dias de chuva direto e alagou aquele negócio. Não tinha como sair pela porta, embaixo estava alagado e estávamos ilhados no quarto em cima. O bombeiro chegou com um bote e a gente teve de sair pela janela (risos). Começo de carreira é sempre difícil.

Na Itália você teve problemas com o Palacios, hoje seu amigo...
É, no primeiro treino no Genoa, até por marcar em cima teve um lance que ele jogou a bola e eu acabei tomando a frente. Ele me empurrou e até tentou me dar um chute na hora. Foi uma situação meio estranha, mas logo depois ficamos amigos.

Depois de tantos causos, como tem se sentido no Palmeiras?
Todos me receberam bem, comissão, jogadores, retaguarda. Eles fazem de tudo para o atleta se sentir em casa, estou me sentindo aqui assim.

Como avalia este seu início no Palmeiras?
Proveitoso, as oportunidades do Marcelo eu tento aproveitar da melhor forma e fico feliz de estar podendo ajudar. Vou ficar sempre contente quando tiver oportunidade de jogar.

Você muitas vezes avança para marcar o rival mais perto da intermediária. É uma característica sua?
Dependendo de como tiver o atacante, eu gosto de estar mais em cima. Mas é óbvio que se ele sair para outro entrar, de um meia...a gente tem que sempre conter. Mas se o atacante estiver mais perto, sem jogada de profundidade, eu gosto de marcar em cima.

Se o Edu Dracena não estiver recuperado, você será o titular no jogo contra o Rosario. O que esta partida significa para vocês?
A gente sempre está preparado. No Palmeiras todos os jogos são importantes, mas a gente sabe que precisa de um resultado positivo, o apoio da torcida será muito grande, então vou estar preparado caso o Marcelo dê uma oportunidade.

As duplas de zaga no ano

Edu Dracena e Leandro Almeida: Com um edema muscular, Vitor Hugo ficou fora dos jogos contra Libertad (PAR) e Nacional (URU), pela Copa Antel. Com Edu Dracena e Leandro Almeida, time não levou nenhum gol.

Leandro Almeida e Vitor Hugo: Vitor Hugo voltou para o início do Paulista, mas Dracena lesionou a panturrilha e Leandro Almeida seguiu no time. Foi bem na vitória por 2 a 0 sobre o Botafogo, mas falhou feio nos 2 a 2 com o São Bento e nunca mais voltou.

Roger Carvalho e Vitor Hugo: Roger Carvalho tomou a vaga de Leandro Almeida e fez dupla com Vitor Hugo em três empates: Oeste (0 a 0), River do Uruguai (2 a 2) e Santos (0 a 0).

Thiago Martins e Vitor Hugo: Contra o Linense, Marcelo poupou titulares e usou Thiago Martins e Vitor Hugo na zaga. Derrota por 2 a 1.