Thiago Ferri
14/12/2016
09:13
São Paulo (SP)

O acordo com o Esporte Interativo para transmissão do Brasileiro em TV fechada já turbinou os cofres do Palmeiras. Pelo acerto, o Verdão receberá luvas de R$ 100 milhões. Desta quantia, o clube já recebeu R$ 50 milhões e o restante será pago no começo de 2017.

Pouco mais da metade do valor já depositado foi ao caixa palmeirense, enquanto o restante servirá para o abatimento de dívidas do clube. Este contrato é o último grande negócio da gestão Paulo Nobre, que será substituído pelo vice Maurício Galiotte a partir da semana que vem.

Os R$ 100 milhões são apenas uma bonificação pela assinatura do vínculo, e, portanto, não tem influência na cota a ser paga pelo EI a partir de 2019. O acordo, só para a TV fechada, também não tem relação no contrato com a Globo para TV aberta e para a transmissão do Premiere.

A parceria é ampla e contará com o uso do nome Allianz Parque durante as transmissões, divulgação do Avanti na programação e até busca de amistosos e torneios internacionais. Os jogos transmitidos pelo EI terão o sinal cedido para que possam ser exibidos nas dependências do estádio onde acontecer o duelo, e os principais lances poderão ser usados pelo clube em suas plataformas digitais e aplicativos também oficiais.

Nobre entregará o clube sem receitas adiantadas das futuras gestões e com dinheiro em caixa. Além do acordo com o Esporte Interativo, o Verdão receberá a última fatia da venda de Gabriel Jesus para o Manchester City – cerca de R$ 11 milhões. Caso a Justiça não defina até o fim do mês a briga com o ex-agente do atleta, Fábio Caran, o Palmeiras assumirá mais R$ 26 milhões do negócio. Além disso, há a premiação da CBF pelo título brasileiro: R$ 17 milhões.