Thiago Ferri
07/06/2016
08:00
São Paulo (SP)

Não fosse pela defesa do zagueiro flamenguista César Martins, Gabriel Jesus teria 14 gols marcados em 25 jogos na temporada. Ainda com 13, o atacante pode enfim dobrar sua marca de 2015 no Dérbi e até atingir a meta de gols estipulada para o ano (15) com seis meses de antecedência.

Na primeira temporada como profissional, Gabriel Jesus fez 37 partidas e marcou sete vezes. Se na naquele ano o garoto muitas vezes foi coadjuvante, com Cuca tornou-se protagonista. Seja aberto pelo lado do campo ou mais avançado, o atacante é o maior goleador alviverde em 2016 e está na briga pela artilharia do Brasileiro: Grafite e Bruno Rangel balançaram as redes seis vezes cada na competição, e o palmeirense, quatro. Um semestre acima do esperado até para ele.

– A maioria dos jogadores tem metas, eu procuro sempre me cobrar muito e fazer avaliações das minhas atuações. Faço como o Alecsandro me ensinou, de ver o que fiz de errado e o que fiz de bom no jogo, para melhorar no dia a dia – contou Gabriel, que não se abateu por ter ficado fora da convocação à Copa América.

Gabriel Jesus é o líder do Brasileirão em dribles certos (8), em faltas sofridas (25) e o 3º que mais acertou finalizações (10)

– Ele não foi por causa do visto, então temos que colocar na cabeça dele que as coisas vêm no seu devido tempo, que ao natural vai acontecer. Ele tem 19 anos e o mais importante é que ele não tem se deixado abater. Ele está fazendo do Palmeiras a Seleção dele. É por causa do Palmeiras que ele vai para a Seleção. Ele está com a cabeça boa e tem nos ajudado bastante. Daqui a pouquinho ele vai – explicou Cuca, no domingo.

Com o atual ritmo, Jesus pode tornar-se o primeiro jogador do Palmeiras a passar de 20 gols em um ano desde Barcos, que em 2012 fez 28. De lá para cá, os artilheiros do Verdão foram: Leandro (19 gols), Henrique (18 gols) e Dudu (16 gols).

Jesus tem multa de 40 milhões de euros (R$ 158 milhões). PSG, Real, Barcelona, United e Bayern poderão levá-lo por 20 mi de euros (R$ 79 milhões) após os Jogos Olímpicos

Apesar dos bons números, o atacante mantém uma marca incômoda: ainda não balançou as redes dos rivais. No profissional, ele já fez 16 partidas contra os três grandes do Estado e sempre passou em branco. Domingo, ele tem a chance de mudar esta sina, justamente diante do Corinthians, maior rival do Palmeiras e contra o qual o Verdão não perde há um ano.