Fellipe Lucena
14/10/2016
18:40
São Paulo (SP)

O presidente do Palmeiras, Paulo Nobre, convocou uma entrevista coletiva na tarde desta sexta-feira para mandar um recado: segundo ele, a anulação do gol que daria o empate ao Fluminense diante do Flamengo, na noite de quinta-feira, foi um "escândalo", fruto de interferência externa e de constante pressão feita pela diretoria rubro-negra sobre os árbitros, algo que não será mais tolerado.

- Ninguém vai levar esse campeonato na mão grande. Se tiverem competência para ganhar em campo, meus parabéns - disparou Nobre.

- Estamos aqui para nos manifestar sobre o que chegou a um ponto inaceitável. O que aconteceu ontem no Rio de Janeiro pode manchar o campeonato, que começa a ser decidido fora de campo. Tivemos ontem o trio de arbitragem mais experiente do Brasil, sem dúvida. Não dava para ter arbitragem mais experiente do que tivemos ontem, só que os árbitros são seres humanos e todo ser humano é sujeito a pressão. Não é possível mais aceitar esse nível de pressão que estão fazendo no Brasileiro - acrescentou.

O árbitro do Fla-Flu em Volta Redonda era Sandro Meira Ricci, auxiliado por Emerson Augusto de Carvalho e Marcelo Van Gasse, todos da Fifa. O Fla vencia por 2 a 1 quando o zagueiro Henrique, impedido, marcou o que seria o gol de empate. O auxiliar levantou a bandeira, mas Sandro Meira Ricci decidiu validar o gol após uma conversa com ele e voltou a anulá-lo depois de uma grande confusão, com muita gente no gramado. O Fluminense diz que houve interferência externa, baseada em imagens de TV, e por isso pedirá a anulação do jogo. Com essa vitória do Flamengo e o empate do Palmeiras com o Cruzeiro, a vantagem dos paulistas na liderança caiu para um ponto

- Dezenas de pessoas estão trabalhando aqui há três anos e meio para fazer um Palmeiras competitivo. Os senhores que acompanham futebol sabem que o Palmeiras foi prejudicado em seis ou sete das dez primeiras rodadas. Faz parte, existem erros de arbitragem. Nós não estamos em futebol americano, vôlei, beisebol... O futebol é assim, feito de erros e acertos. A Fifa proíbe auxílio externo e ontem foi claro que houve auxílio externo. Estão infringindo a regra. O STJD vai se pronunciar? - desafiou Nobre.

- Não tenho dúvida nenhuma que um árbitro do calibre do Sandro estava se sentindo muito pressionado. Quero saber que ser humano não fica pressionado hoje antes de jogos do Flamengo? É impossível. A cada escala há crítica, colocam em dúvida, fazem pressão. Ele ter permitido aquela balbúrdia, aquela reunião de condomínio dentro do campo, é claro que foi por pressão. Experiência não falta, e honesto ele é. Se não foi pressão, o que foi? Sou otimista e acredito que fatos lamentáveis como ontem não voltarão a acontecer, que as pessoas tenham vergonha na cara e joguem futebol em campo.

Este episódio não foi o primeiro que irritou a diretoria do Palmeiras. Na visão do clube, o Flamengo faz pressão em todas as rodadas, questionando com frequência a escala de árbitros. A reclamação sobre o América-MG ter vendido o mando de campo do jogo contra o Palmeiras, que acabou sendo disputado em Londrina (PR), também foi citada pelo mandatário alviverde, assim como decisões do STJD.

- A pressão que foi feita sobre o América-MG.... O América-MG tinha o direito de vender o mando. Esquecem que o Santos também vendeu o seu mando contra o Flamengo? Então que se proíba para todo mundo. O jogo entre Flamengo e Palmeiras tinha mando do Flamengo. O Palmeiras não pediu carga de ingressos porque não pede desde 2013. Pela incompetência do Flamengo, sai uma briga, e o Palmeiras é mais penalizado que o Flamengo! Aí no jogo de volta, o Flamengo diz que, por não ter pedido carga de ingresso, tudo o que acontecer será responsabilidade do Palmeiras. A diretoria deles bate boca com a nossa torcida, e o Palmeiras é penalizado de novo! - esbravejou.

Alexandre Mattos, diretor de futebol do Palmeiras, concedeu entrevista junto com o presidente e também se posicionou com firmeza:

- O Flamengo se pronunciou contra árbitro paulista em jogo deles. O Flamengo se pronunciou contra árbitro mais fraco, segundo eles, em jogo do Palmeiras. O Palmeiras não age assim, o Palmeiras age na CBF quando tem de fazer. Outro dia, no nosso jogo contra o América-MG, um árbitro carioca apitou. Não houve o que reclamar. Isso aqui é um recado direto para quem acha que o campeonato vai se resolver fora de campo, com pressãozinha. O Palmeiras tem 61 pontos jogando bola, sendo prejudicado em vários jogos, mas fazendo o que tem de fazer. Há uma pressão muito grande de fora. De ontem para hoje, recebi três ligações de diretores, presidentes, de clubes que vão jogar contra o Flamengo e estão preocupados.