Fellipe Lucena e Thiago Ferri
17/06/2016
10:30
São Paulo (SP)

Dono da segunda melhor média de público (30.092 pagantes) e 100% como mandante no Brasileirão, o Palmeiras tem nas arquibancadas um de seus maiores trunfos. Mas esta relação vem passando por percalços. O mais recente quarta, quando torcedores usaram sinalizadores no fim da partida contra o Coritiba. Após a paralisação, o time levou o empate, e Alexandre Mattos reclamou.

– São meia dúzia de bandidos, mercenários... Qualquer palavra que usar aqui é pouco. Isso é proposital. Todos sabem que não pode acender sinalizador. O juiz foi obrigado a dar mais seis minutos e tomamos um gol impedido – atacou.

O Palmeiras já começou a identificar os que usaram sinalizadores no Paraná e cruza os dados para confirmar se eram membros do Avanti. Caso sejam, eles serão excluídos do programa de sócio-torcedor, como já foram os 17 envolvidos no confronto com flamenguistas, em Brasília.

Para o diretor de futebol, são “16 milhões puxando a favor e dez que puxam contra”. Antes, o presidente Paulo Nobre já havia dito que os palmeirenses envolvidos na briga com flamenguistas em Brasília são “vândalos travestidos de torcedores”. Por conta da confusão, o time vai jogar uma partida no Allianz com portões fechados e terá de pagar uma multa de R$ 80 mil.

O clube deve ser julgado de novo no STJD pelo copo com água atirado no campo do Allianz durante o Dérbi, e por conta dos sinalizadores. Nesses dois casos, o Verdão pode levar multa que varia entre R$ 100 e R$ 100 mil, mas não está prevista perda de mandos. 

Apesar do incômodo com estes casos, jogadores, comissão técnica e diretoria sempre dizem que os problemas são causados por uma pequena parcela da torcida. Cuca considera que o clube pode ser atrapalhado por “fogo amigo”.

– A parada foi crucial para o Coritiba empatar. Você perde pontos importantes e arrisca perder mando de campo. Estamos, de repente, jogando contra nós mesmos.

Melhor mandante do Brasileiro, o Palmeiras amanhã volta para casa para ficar marcado só pela rotineira festa nas arquibancadas e a conhecida força no Palestra.

AJUDA MUITO, MAS TAMBÉM ATRAPALHA...

Sempre presente: A torcida alviverde é dona da segunda melhor média de público do Brasileiro, com 30.092 por jogo, pouco atrás do Corinthians. No Dérbi, os 39.935 pagantes quebraram o recorde do Allianz.

Fora também: Os palmeirenses lotaram o espaço dos visitantes contra Ponte, Coxa e Fla, quando dividiram o Mané Garricha.

Força extra: O Palmeiras venceu os quatro jogos que fez como mandante no Brasileiro: Atlético-PR, Flu, Grêmio e Corinthians.

Briga em Brasília: A briga entre palmeirenses e flameguistas nos corredores do Mané Garrincha fez o STJD punir o clube com uma multa de R$ 80 mil e um jogo com portões fechados. Verdão aguarda novo julgamento.

Copo no gramado: Um copo d'água foi atirado no gramado no Dérbi, o que pode causar nova multa ao clube. No mesmo jogo, organizada vaiou Nobre durante homenagem aos ídolos de 1993.

Sinalizadores: Além do risco de multa, os luminosos fizeram o jogo ser paralisado e o time se deu mal.