Rubens Sampaio, médico do Palmeiras (FOTO: Fellipe Lucena)

Rubens Sampaio, médico do Palmeiras (FOTO: Fellipe Lucena)

LANCE!
10/03/2016
20:41
São Paulo (SP)

A expectativa era por uma entrevista de Alexandre Mattos, Cícero Souza ou algum dos líderes do elenco do Palmeiras, mas quem apareceu na sala de imprensa da Academia de Futebol nesta quinta-feira foi o médico Rubens Sampaio. Diante das críticas recebidas por seu departamento nos últimos tempos, ele se defendeu dizendo que, desde 2015, só o zagueiro Edu Dracena não se recuperou antes do prazo estipulado.

- Desde o ano passado, a gente vem instituindo um protocolo acelerado de tratamento de lesões musculares, com ótimo resultado. Exceção feita ao Edu Dracena. Eu assumi o risco de fazer um prognóstico de três semanas que a gente não conseguiu cumprir. Você acaba ficando indefeso por ter assumido o risco, e quem assumiu fui eu. As três semanas acabaram virando cinco. Todas as outras lesões foram recuperadas em prazos menores do que aqueles que a literatura prescreve hoje - declarou Rubens Sampaio.

Edu Dracena lesionou a panturrilha direita durante um treino no dia 26 de janeiro. Ele já treina sem limitações no gramado e tem chance até de ser relacionado para o clássico de domingo, contra o São Paulo.

- O Edu tem cirurgias prévias nos dois joelhos, tem mais de 30 anos, então cumpre um trabalho diferente. Em relação à lesão, está liberado - acrescentou o médico.

Os meias Fellype Gabriel e Cleiton Xavier também são submetidos a atividades especiais. Nesta quinta, por exemplo, não foram submetidos ao gramado castigado pela chuva e ficaram na sala de musculação. As constantes lesões de ambos dão motivo para várias críticas ao DM. Rubens Sampaio explica:

- O Cleiton vinha de cinco anos na Ucrânia, mais um período de inatividade. Teve sucessivas lesões musculares. Foi feita uma biópsia muscular para a gente ter uma real ideia da musculatura dele, para saber o que seria mais interessante implementar em treinamento, alimentação,
suplementação. Depois da biópsia, o Cleiton teve uma lesão na panturrilha em um campo muito pesado na pré-temporada, mas ele estava no banco na final da Copa do Brasil. Ele está recuperado, cumpre trabalho individualizado. Vocês vão se habituar a vê-lo no campo, na fisioterapia, na academia, para tê-lo o máximo possível - disse, sobre o camisa 10.

- O Fellype Gabriel teve uma complicação ainda fora do Palmeiras, após fazer uma cirurgia de ligamento no joelho. Ele completou o tratamento aqui. Depois teve contusão de adutor, entorse de tornozelo, nada referente ao joelho. Teve uma contusão agora, entorse de joelho no treino, fez artroscopia e em três ou quatro semanas estará liberado - acrescentou, antes de explicar a "inusitada" aparição na sala de imprensa:

- Eu já tinha pedido para me manifestar a respeito de algumas críticas que o departamento médico tem recebido. Estava combinado.

Resposta a Valdivia


Há alguns dias, após o Palmeiras fazer um treino com dez desfalques por lesão, o meia Valdivia, hoje jogador do Al Wahda, ironizou o departamento médico no Twitter: "Não era só comigo?". Rubens Sampaio respondeu:

- O Valdivia, antes de ir embora, citou a biópsia que ele fez. O departamento médico alertou para o diagnóstico e aquilo foi impactante, mudou os hábitos, ao menos um, na vida dele. Acho que foi o diagnóstico mais importante da vida dele. Ele mudou um hábito que o estava atrapalhando (excesso de álcool), falou disso abertamente. Hoje ele consegue seguir com a carreira dele principalmente em função do diagnóstico que ele teve aqui.

- Acho que o Valdivia tem um timing bom, é inteligente, sempre rendeu boas entrevistas e continua fazendo isso nos Emirados Árabes.