icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
26/08/2015
11:03

O Palmeiras passou a última semana defendendo a arbitragem, muito contestada no Campeonato Brasileiro. Teve nota oficial repudiando a pressão dos adversários sobre os juízes, entrevista do presidente Paulo Nobre pedindo para que o "papinho" sobre clubes beneficiados acabe... No domingo, porém, Sandro Meira Ricci marcou um pênalti discutível em disputa de Lucas com Giovanni Augusto e o Atlético-MG aproveitou-se para marcar o gol que garantiu a vitória por 2 a 1 sobre o Verdão. Nada que tire o diretor de futebol Alexandre Mattos do sério.

- Acho que arbitragem é um assunto chato. Temos que cobrar que seja sempre da melhor maneira, isenta, sem problemas, mas polêmicas sempre vão ter. Há quem diga que foi pênalti (contra o Atlético-MG), há quem diga que não, mas acho que tudo transcorreu dentro da normalidade - disse o dirigente, antes de esclarecer que o clube não é omisso quando se sente prejudicado.

- O Palmeiras não vai pegar o microfone e sair falando. Desde a primeira rodada, o Palmeiras faz a situação correta, que é mandar para a CBF, para o departamento de árbitros da Federação Paulista, a reclamação. Isso vem sendo feito mesmo com vitórias. No jogo contra o Avaí, nós vencemos por 3 a 0 e teve um gol do Kelvin que a bola entrou dois metros e meio e o juiz não deu. O Palmeiras reclamou, mas não vamos pegar o microfone e sair dando porrada. A ideia é não ter uma situação de pressão - acrescentou.

Nesta quarta-feira, o Verdão decide uma vaga nas quartas de final da Copa do Brasil contra o Cruzeiro, no Mineirão - na ida, os paulistas venceram por 2 a 1. O árbitro será Anderson Daronco, que curiosamente já se viu envolvido em uma atitude bem diferente do clube, no ano passado: após um empate com o Flamengo, Paulo Nobre pediu o afastamento dele das partidas do clube.


O Palmeiras passou a última semana defendendo a arbitragem, muito contestada no Campeonato Brasileiro. Teve nota oficial repudiando a pressão dos adversários sobre os juízes, entrevista do presidente Paulo Nobre pedindo para que o "papinho" sobre clubes beneficiados acabe... No domingo, porém, Sandro Meira Ricci marcou um pênalti discutível em disputa de Lucas com Giovanni Augusto e o Atlético-MG aproveitou-se para marcar o gol que garantiu a vitória por 2 a 1 sobre o Verdão. Nada que tire o diretor de futebol Alexandre Mattos do sério.

- Acho que arbitragem é um assunto chato. Temos que cobrar que seja sempre da melhor maneira, isenta, sem problemas, mas polêmicas sempre vão ter. Há quem diga que foi pênalti (contra o Atlético-MG), há quem diga que não, mas acho que tudo transcorreu dentro da normalidade - disse o dirigente, antes de esclarecer que o clube não é omisso quando se sente prejudicado.

- O Palmeiras não vai pegar o microfone e sair falando. Desde a primeira rodada, o Palmeiras faz a situação correta, que é mandar para a CBF, para o departamento de árbitros da Federação Paulista, a reclamação. Isso vem sendo feito mesmo com vitórias. No jogo contra o Avaí, nós vencemos por 3 a 0 e teve um gol do Kelvin que a bola entrou dois metros e meio e o juiz não deu. O Palmeiras reclamou, mas não vamos pegar o microfone e sair dando porrada. A ideia é não ter uma situação de pressão - acrescentou.

Nesta quarta-feira, o Verdão decide uma vaga nas quartas de final da Copa do Brasil contra o Cruzeiro, no Mineirão - na ida, os paulistas venceram por 2 a 1. O árbitro será Anderson Daronco, que curiosamente já se viu envolvido em uma atitude bem diferente do clube, no ano passado: após um empate com o Flamengo, Paulo Nobre pediu o afastamento dele das partidas do clube.