Thiago Ferri
05/11/2016
07:30
São Paulo (SP)

De acordo com Alexandre Costa, gerente geral do Allianz Parque, a casa do Palmeiras é a segunda arena do mundo que mais recebeu eventos neste ano, atrás apenas do MetLife Stadium, nos Estados Unidos. A diferença é que o estádio onde jogam New York Giants e New York Jets, times da NFL, tem grama sintética - a grama natural só é usada quando há jogos de futebol.

Por conta dos recentes problemas no Allianz Parque, a possibilidade de usar esse piso chegou a ser cogitada. Pessoas ligadas à WTorre veem com bons olhos a mudança, apesar do alto valor para troca (acima de R$ 3 milhões), pois o piso não seria tão afetado por jogos e shows e o valor poderia ser recuperado no futuro. A construtora, porém, avisa que não tomará nenhuma decisão sem o clube, que já se mostrou contrário à ideia.

– Tratamos todas as possibilidades para o gramado do Allianz Parque como não há porta fechada. O gramado 100% natural, como hoje, o gramado misto, como em algumas arenas. O gramado 100% sintético, em teoria, são todas opções viáveis, possíveis e que podem ser colocadas em uma mesa. O Palmeiras precisa estar junto. Nenhuma decisão sobre o gramado do Allianz Parque pode ou vai ser tomada sem ter o Palmeiras do lado. O gramado é onde joga o Palmeiras e teria 'n' consequências, porque para jogar no gramado sintético possivelmente teria de adaptar o seu CT - justificou Alexandre.

Caso leve realmente em consideração a opinião do Palmeiras, a WTorre não colocará grama sintética no estádio. No início da semana, o presidente Paulo Nobre considerou a ideia "absurda"

- Jamais faríamos alguma coisa que não fosse de acordo com eles. Em termos teóricos, temos todas as soluções na mesa. Conhecemos todas e estamos aptos a, caso escolhermos (mudar), pegar qualquer uma. Já fizemos dez shows no Allianz Parque e em 90% o gramado reagiu bem, o Palmeiras pode jogar aqui. Aconteceu neste (mês) uma conjugação para que o gramado não estivesse o ideal. Acreditamos que domingo estará melhor. Qualquer decisão a tomar não pode ser na histeria, no grito, tem de ser com prós e contras e sempre com o Palmeiras na mesa - completou Alexandre.

Entre o fim de 2015 e início de 2016, o Allianz Parque já passou por uma troca de gramado. A expectativa era de que, com uma técnica de instalação diferente, o campo resistisse mais a shows e jogos. O processo terminou em fevereiro de 2016 e custou quase R$ 300 mil na época. Em abril houve o plantio da grama de inverno, que hoje convive junto à grama de verão. Em cada época do ano uma torna-se mais destacada que a outra. Agora, a grama de inverno está perdendo força e a de verão voltou a crescer.