Ana Canhedo e Thiago Ferri
22/11/2016
07:00
São Paulo (SP)

Durante boa parte do segundo turno, as análises sobre o Palmeiras questionavam a beleza no jogo do líder. Para Cuca, a mudança ocorreu ainda na primeira metade da competição. Após empolgar com um futebol envolvente no início do campeonato, o time trocou o espetáculo pela raça e conseguiu resultados, já que pode garantir o título no domingo, com uma rodada de antecedência.

O motivo para esta nova “cara” foi a pressão dos 22 anos de jejum no clube. Quando o Verdão perdeu para o Atlético-MG em casa no fim do primeiro turno, Cuca viu o time perder a tranquilidade do início.

Números do líder: 

22 vitórias 
59 gols marcados
31 gols sofridos 
27 rodadas na liderança
68,5% de aproveitamento

– O Palmeiras até aquele jogo do primeiro turno era um. Jogava bonito, tranquilo, colocava os meninos para jogar, Vitinho (meia do sub-20), jogava com naturalidade, porque era uma etapa do campeonato. Quando tivemos o momento ruim contra Atlético (0 a 1), Botafogo (1 a 3) e Chapecoense (1 a 1), era um jogo decisivo contra o Vitória, não tinha mais a confiança para fazer aquilo. E aprendemos a jogar pelo resultado para ser campeão – analisou.

Na primeira metade do Brasileiro, o Verdão fez alguns de seus melhores jogos. Até enfrentar o Galo, eram seis vitórias por, pelo menos, dois gols de diferença, incluindo duas goleadas por 4 a 0 (sobre Atlético-PR e Figueirense). Desde os três jogos ruins no fim do primeiro turno, são só três vitórias por dois gols de diferença. Todas as outras terminaram com a diferença mínima.

Só que neste período com jogos mais apertados no segundo turno, o Palmeiras teve aproveitamento altíssimo, de quase 75% dos pontos.

– Paramos ali de ser um time de espetáculo, de meninos, que eram promessas para ser um time que quer ser campeão. São dois estilos bonitos, tanto aquele que jogava, como a alma que eles colocam agora para ser campeões. Os meninos viraram homens na competição e isto é muito bonito de se ver – completou.

Contra o Botafogo, o Verdão teve semelhanças com o time do primeiro turno. Marcou o time carioca sob pressão no campo de ataque, criou jogadas bem trabalhadas e dominou a posse de bola. O triunfo deixou o time a um ponto do título brasileiro.

Aliando o bom futebol do primeiro turno com a pegada do segundo, o Palmeiras hoje é o dono do segundo melhor ataque, melhor defesa, maior saldo de gols, é o melhor visitante e a equipe que mais somou pontos em cada um dos turnos. Independentemente de sua preferência, é inegável que a estratégia funcionou.