Ana Canhedo
12/08/2016
18:16
São Paulo (SP)

O mistério segue no Palmeiras. Nesta sexta-feira, o técnico Cuca até deu algumas pistas sobre o time que pretende mandar a campo no próximo domingo, contra o Atlético-PR, na Arena da Baixada, mas não revelou a escalação. O pouco que a imprensa pôde ver na atividade não foi suficiente para cravar quem serão os 11 titulares. Certo é, porém, que quatro peças estão descartadas: Edu Dracena, Mina e Leandro Pereira, todos em fase de transição, e Lucas Barrios, lesionado, não estarão à disposição. 

- Sim, estão todos descartados. Vocês (imprensa) entraram na segunda parte do treino. Treino diversas formações para entender de que forma melhor meu time se ajusta. Quando vocês entraram, eu já tinha treinado outra formação. Trabalhamos o Fabiano e o Jean na lateral direita. Trabalhos o meio-campo com e sem volante fixo. Trabalhamos com o Róger Guedes na direita, o Rafael de centroavante. Já treinamos, eles sabem bem o que fazer. A semana foi boa, produtiva. Tomara que o jogo seja assim também - disse Cuca, evasivo. 

O time exposto por Cuca na tarde desta sexta-feira foi: Jailson; Jean, Vitor Hugo, Thiago Martins e Egídio; Tchê Tchê, Thiago Santos e Moisés; Cleiton Xavier, Dudu e Rafael Marques, mas, pouco antes dos portões serem abertos na Academia de Futebol, Erik é quem estava ocupando a vaga de Cleiton Xavier. O garoto é um dos que deve ser titular no jogo de domingo. 

- Erik treinou como centroavante, com Dudu do lado esquerdo. Se as coisas forem bem amanhã, pode ser titular. Tem ido bem, pegando confiança - limitou-se a dizer o treinador. 

Róger Guedes também têm chances de entrar nesse time. O camisa 23 briga com Rafael Marques por uma vaga no ataque e o Verdão pode ter em campo uma formação com dois ou três avançados. Além dos zagueiros Thiago Martins e Victor Hugo, o goleiro Jailson, Egídio, Dudu, Moisés e Tchê Tchê têm vaga garantida na equipe para o confronto de domingo. 

- Tchê Tchê e Moisés são muito importantes. Basta ver que quando eles não estiveram jogando, nossa produção abaixou. Não só com a bola nos pés. Eles se movem também e criam espaço para os outros. Tenho tentado criar mais lideranças em campo. Um time bem posicionado tem que ter comando dentro de campo. Jogando contra 30, 40 mil, a voz do treinador não chega em campo. Tem que ter os representantes dele dentro de campo. Conversei com eles um pouquinho sobre isso também - completou o treinador, que bateu papo com os dois jogadores em determinado momento do treino. 

Certo é que a decisão será tomada neste sábado, quando o elenco faz o último treino antes da partida em Curitiba.