Fellipe Lucena
20/06/2016
08:00
São Paulo (SP)

Cuca lembrou da final da Libertadores de 2013, época em que dirigia o Atlético-MG, para explicar a formação ofensiva que colocou em campo na vitória do Palmeiras sobre o Santa Cruz, no sábado - resultado que deixou o time na liderança do Brasileirão. Como naquele "Galo Doido" que conquistou a América, o técnico faz o Verdão priorizar sempre o ataque.

- Eu sempre joguei assim, mesmo na Libertadores, fora de casa, final... É natural que o adversário vá ter ocasiões, mas vamos ter mais. Lógico que se você chega com quatro, cinco na área, algum espaço vai sobrar para o contra-ataque do adversário. É do futebol - disse Cuca.

No sábado, ele escalou um time sem volantes: Moisés e Tchê Tchê foram os responsáveis pela saída de bola, com Cleiton Xavier armando jogadas para Róger Guedes, Dudu e Gabriel Jesus, que se movimentavam na frente. Deu certo.

Cuca vai ganhando o elenco a cada decisão acertada, seja na formação titular, nas alterações ou nas jogadas ensaiadas que dão resultado: os arremessos laterais de Moisés, trabalhados na Academia, já geraram três gols para o Palmeiras. Contra o Santa Cruz, uma cobrança de falta combinada resultou em gol de Jean e o comandante foi muito festejado pelos atletas.

Em seu "Galo Doido", os arremessos laterais para a área também eram explorados, com Marcos Rocha. A jogada em que um zagueiro vai para a frente logo na saída de bola para surpreender o rival com um lançamento longo, já feita no Palmeiras em mais de uma ocasião, também era vista em Minas.

A maior semelhança, porém, é a ofensividade. Esse é o principal diferencial do líder do Brasileirão. Verdão e Internacional têm exatamente a mesma campanha, com 19 pontos cada um, mas o saldo de gols dos paulistas é melhor: 9 contra 6. O time de Cuca sofreu mais gols que o de Argel (10 contra 6), mas leva vantagem grande nos gols marcados (19 contra 12).

- Junho tem oito jogos, se não me engano, e esse contra o Santa Cruz foi o quinto. Nós ganhamos quatro e empatamos uma. Eu quero estar na liderança na última rodada - comentou Cuca.

É o Porco Doido?

Veja trechos da coletiva de Cuca no sábado:

O time terá mudanças nesta terça, contra o América-MG?
Sempre estou tentando colocar 30% ou 40% do time zerados. Contra o Santa Cruz, coloquei Dracena zerado, Egídio zerado, Cleiton Xavier meio zerado, Dudu zerado... Se não fizer isso, não aguenta. Vamos avaliar. Não é mesclar, é colocar quem está 100%.

Dudu não jogou contra o Coritiba e fez dois gols contra o Santa. Qual é a condição física dele?
O Dudu não jogou em Curitiba porque o exame detectou um hematoma. Se você põe para jogar, você corre o risco de abrir. Ele trabalhou, recuperou, foram feitas as imagens e ele está zerado. Se é uma final, é outra coisa, você corre o risco. O departamento físico está trabalhando muito bem.

Os laterais do Moisés de lembram os do Marcos Rocha?
A gente descobriu o Moisés em um treino, de repente ele colocou um lateral na área: “Epa, Moisés, vamos fazer isso”. Lá em Curitiba a gente fez um gol assim, agora de novo, estamos criando chances. O Marcos Rocha também batia forte como o Moisés.