Fellipe Lucena
20/05/2017
07:00
São Paulo (SP)

Tchê Tchê será um dos únicos titulares que Cuca mandará a campo no jogo contra a Chapecoense, às 19h deste sábado, na Arena Condá, pela segunda rodada do Campeonato Brasileiro. Não é por acaso: o técnico considera o camisa 8 fundamental para o funcionamento de seu esquema. Por isso, nunca o deixou na reserva e faz questão de mostrar, com grandes e pequenas atitudes, que o considera uma referência no elenco.

Tchê Tchê, que chegou a ser reserva com Eduardo Baptista, no jogo contra o Peñarol, fora de casa, é o atleta que Cuca mais escalou como titular no Palmeiras, contando as duas passagens. Além disso, é o único que começou jogando todas as vezes em que foi relacionado, sem ter experimentado o banco. São 41 jogos como titular, mais do que Jean (37), Vitor Hugo (37), Dudu (34)...

Com o retorno do treinador, Tchê Tchê voltou a jogar como gosta: como volante, mas com liberdade para se movimentar por todo o campo e ajudar na criação. No jogo contra o Vasco, atuou mais avançado que Felipe Melo e fez um revezamento muito bem sucedido com Jean, aparecendo também como lateral-direito. Contra o Inter, ficou mais preso para que Felipe tivesse participação maior na armação. Com Eduardo, ele muitas vezes compôs uma linha de armadores, o que o fazia receber a bola de costas para o gol e o fez perder rendimento.

Um dos primeiros a dar entrevista coletiva após a chegada de Cuca, Tchê Tchê disse que não se sentia à vontade na função anterior e rasgou elogios ao treinador.

Coincidência ou não, só jogadores importantes têm visitado a sala de imprensa desde o retorno do treinador: Zé Roberto, Jean e Edu Dracena, líderes por essência, e Borja, que o técnico quer transformar em referência técnica. Há o dedo do técnico nisso. Com Cuca, Tchê Tchê não é coadjuvante.

É assim desde a primeira passagem. Cuca se encantou por ele assistindo a jogos do Audax pelo Paulistão do ano passado, tanto que ligou pessoalmente para pedir que se apresentasse o mais rápido possível e estivesse disponível já na estreia pelo Brasileirão. Tchê Tchê atendeu ao pedido, e logo de cara virou titular do time, a ponto de Cuca reunir o elenco em Atibaia para explicar aos jogadores as razões de dar tamanho espaço a um jovem recém-chegado. A campanha do título nacional provou que ele não estava errado.