Após dois anos sem patrocínio master, o Palmeiras anunciou a Crefisa como nova parceira: R$ 46 milhões por dois anos de contrato (Foto: Agencia Estado)

Paulo Nobre ao lado dos donos da Crefisa (Foto: Agencia Estado)

Fellipe Lucena
09/05/2016
13:19
São Paulo (SP)

A Crefisa assinou nesta segunda-feira os aditivos do contrato de patrocínio com o Palmeiras - o clube já havia assinado na sexta-feira. De acordo com a empresa, os R$ 19,5 milhões que estavam pendentes já foram depositados para o clube.

O valor equivale a três meses de pagamento (são R$ 6,5 milhões mensais, sendo R$ 1 milhão para que o clube arque com os custos de Lucas Barrios e o restante pelo patrocínio). A suspensão dos depósitos ocorreu enquanto o contrato era rediscutido.

O principal aditivo inserido no acordo, que segue válido até o fim deste ano, é uma multa de R$ 2,5 milhões que o Palmeiras terá de pagar se não apresentar o uniforme de jogo à parceria previamente. Essa decisão foi motivada pelo jogo contra a Ferroviária, em que o logotipo do Avanti foi exibido na camisa, irritando a Crefisa, que tem exclusividade para mostrar suas marcas.

Durante o imbróglio, o presidente Paulo Nobre colocou dinheiro do próprio bolso no clube para manter o fluxo de caixa, algo que já havia feito em janeiro, ainda antes da confusão. Ao todo, ele emprestou pouco mais de R$ 20 milhões em 2016. O Conselho de Orientação e Fiscalização determinou que o pagamento da empresa seja usado prioritariamente paga sanar esta dívida com o dirigente.