icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
29/07/2013
16:55

Pela primeira vez desde que chegou ao Palmeiras, o volante Wesley mostrou-se contrário à doação de dinheiro para a contratação de atletas no Brasil. O clube tentou contratá-lo desta maneira no ano passado, quando Arnaldo Tirone era o presidente, mas não obteve sucesso e precisou da ajuda de um investidor.

- Mais para a frente eu vou falar o que penso com relação a isso. Tentaram um meio diferente, uma situação diferente. No meu ponto de vista é complicado, porque vivemos em um país em que é complicado até para arrumar emprego. Mas ainda bem que estou aqui - disse o camisa 11.

Há quase um ano e meio, o Verdão promoveu uma campanha em parceria com a empresa My Own Player, que significa "meu próprio jogador", para tirar o jogador do Werder Bremen (ALE). A ideia era que torcedores doassem dinheiro até que a quantia de R$ 21 milhões fosse atingida. O clube arrecadou cerca de R$ 700 mil e abortou a estratégia.

Wesley chegou sob expectativa, mas logo lesionou o joelho direito e ficou quase sete meses afastado dos gramados. Em 2013, teve um primeiro semestre de altos e baixos, principalmente por precisar atuar improvisado como armador. Depois da pausa da Série B para a Copa das Confederações, no entanto, firmou-se como segundo volante.

- Acho que o que me complicou mesmo foi a minha contusão séria. Com certeza foi a contusão. A gente sem saúde, estando machucado, não consegue desenvolver. Agora bola para a frente - completou.

Pela primeira vez desde que chegou ao Palmeiras, o volante Wesley mostrou-se contrário à doação de dinheiro para a contratação de atletas no Brasil. O clube tentou contratá-lo desta maneira no ano passado, quando Arnaldo Tirone era o presidente, mas não obteve sucesso e precisou da ajuda de um investidor.

- Mais para a frente eu vou falar o que penso com relação a isso. Tentaram um meio diferente, uma situação diferente. No meu ponto de vista é complicado, porque vivemos em um país em que é complicado até para arrumar emprego. Mas ainda bem que estou aqui - disse o camisa 11.

Há quase um ano e meio, o Verdão promoveu uma campanha em parceria com a empresa My Own Player, que significa "meu próprio jogador", para tirar o jogador do Werder Bremen (ALE). A ideia era que torcedores doassem dinheiro até que a quantia de R$ 21 milhões fosse atingida. O clube arrecadou cerca de R$ 700 mil e abortou a estratégia.

Wesley chegou sob expectativa, mas logo lesionou o joelho direito e ficou quase sete meses afastado dos gramados. Em 2013, teve um primeiro semestre de altos e baixos, principalmente por precisar atuar improvisado como armador. Depois da pausa da Série B para a Copa das Confederações, no entanto, firmou-se como segundo volante.

- Acho que o que me complicou mesmo foi a minha contusão séria. Com certeza foi a contusão. A gente sem saúde, estando machucado, não consegue desenvolver. Agora bola para a frente - completou.