Seleção Feminina de Rúgbi comemora seu 11º título do Sul-Americano (Foto: Luiz Pires/Fotojump)

Seleção Feminina de Rúgbi comemora seu 11º título do Sul-Americano (Foto: Luiz Pires/Fotojump)

RADAR/LANCE!
07/03/2016
14:45
Rio de Janeiro (RJ)

A Seleção Brasileira Feminina de Rugby Sevens manteve a hegemonia no último final de semana, no Rio de Janeiro. As meninas conquistaram o 11º título do torneio Sul-Americano no novo campo de Deodoro, em campeonato válido para o  Aquece Rio, evento-teste para os Jogos Olímpicos 2016.

De forma invicta, o Brasil venceu as seis partidas, sendo cinco delas sem ter a retaguarda vazada. Ao todo, o time levou apenas um try. Foram 220 pontos à favor, enquanto a defesa sofreu apenas cinco pontos.

- É muito gratificante conquistar mais um título, sendo ainda em evento “2 em 1”: evento-teste olímpico e o Sul-Americano. Ficamos muito contentes pelas estreias de algumas meninas, o retorno de algumas aos gramados após lesões e pelo fato de concretizarmos um feito que nunca imaginávamos: sermos a maior equipe de Sevens da América do Sul há mais de uma década - afirmou Paula Ishibashi, capitã da Seleção Brasileira.

Por já ter vaga garantida nos Jogos Olímpicos Rio-2016, o Brasil não participou da última edição do Sul-Americano de Sevens Feminino. Na ocasião, o  título ficou com as colombianas. Em seu retorno, o time verde e amarelo mostrou o seu potencial e retomou o troféu.

- É importante ressaltar que esse torneio tem um valor significativo para nós, pois foi onde tudo começou. Foi importante também para verificar algumas das principais instalações, como área de aquecimento e campo de jogo. Os padrões estão bons. Algumas instalações ainda estão por vir, mas devem ser providenciadas em breve. Enfim, saímos felizes após mais um grande torneio e por fechá-lo com chave de ouro - completou Paulinha.

Na competição, o Brasil venceu Peru, Uruguai e Venezuela no primeiro dia. Já no mata-mata, Chile e Colômbia ficaram para trás. Na grande final, o grupo brasileiro fez o clássico diante da Argentina. A equipe superou as alvicelestes por 27 a 5.

- O fato de a Seleção Feminina ter ganhado o Sul-Americano com resultados elásticos, tomando só um try e considerando que parte do time estava jogando outro torneio em Las Vegas, é muito importante para nós, porque demonstra que não só a gente continua tecnicamente acima da região, mas também porque nosso trabalho continua dando resultados e que estamos criando a base sólida - analisou Agustin Danza, CEO da Confederação Brasileira de Rugby.