Ricardo Fischer

Ricardo Fischer mais uma vez foi o grande destaque do time do Bauru (Foto: Ricardo Buffolin/EC Pinheiros)

RADAR/LANCE!
04/02/2016
12:26
Rio de Janeiro (RJ)

O Paschoalotto/Bauru segue em busca da liderança do NBB. Nesta quarta-feira, o Dragão contou com atuação de gala de Ricardo Fischer, levou a melhor sobre o EC Pinheiros, fora de casa, no Ginásio Poliesportivo Henrique Villaboim, pelo placar de 100 a 87, e conquistou seu quarto triunfo consecutivo. Com isso, os atuais vice-líderes da competição seguiram colados no líder Flamengo e deram continuidade à luta pela ponta da tabela de classificação.

A noite foi de Ricardo Fischer. Com apenas um arremesso errado no jogo inteiro, o armador fez 24 dos 27 pontos que tentou, deu expressivas dez assistências e coroou seu sonoro duplo-duplo com uma eficiência de 37 tentos, marca que igualou o recorde desta temporada, registrado por Guilherme Giovannoni, do UniCEUB/Cartão BRB/Brasília, contra o São José.

Na rodada anterior, o camisa 5 do Bauru fez a bola da vitória no confronto direto contra o Brasília, em casa, em partida que valeu o troféu Cláudio Mortari da Copa dos Campeões das Américas. Ainda nesta oportunidade, o jogador marcou os seis últimos pontos do seu time no jogo e deixou a quadra com 21 pontos, além de oito rebotes e cinco assistências.

Com o resultado, a equipe do técnico Demétrius Ferracciú segue firme na vice-liderança, agora com 15 triunfos em 19 partidas, e na caça ao líder Flamengo, que tem o mesmo número de vitórias, mas com um jogo a menos. Por sua vez, o clube da capital paulista foi beneficiado com as derrotas de Franca Basquete e Decisão Engenharia/Minas e permaneceu na sétima posição, agora com nove triunfos em 19 partidas.

- Foi uma vitória muito boa. Perdemos em casa para o Pinheiros no primeiro turno e o resultado negativo estava pesando para a gente. Começamos com boa intensidade, virando o jogo, procurando os jogadores mais bem posicionados e aos poucos fomos acertamos nossa defesa. Corremos o tempo todo e imprimimos nosso ritmo nos 40 minutos, isso é muito importante - disse Ricardo Fischer.