icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
26/08/2015
08:03

Um pouco mais de duas semanas após o fim do Mundial de Esportes Aquáticos em Kazan (RUS), os nadadores brasileiros voltam à piscina para outra importante competição. Mas dessa vez, Cesar Cielo, Bruno Fratus, Thiago Pereira e Etiene Medeiros saem de cena para darem lugar a atletas mais jovens para a disputa do Mundial Júnior de Natação, em Cingapura. E uma das principais esperanças de medalhas do Brasil é Felipe Ribeiro, de 17 anos.

O jovem nadador da Unisanta tem despontado como uma revelação nas provas de velocidade. Na competição, que começou ontem, ele foi inscrito no revezamento 4x100m, nos 200m, 100m e 50m livre. E é nas duas últimas disputas que possui mais chances de medalhar.

Nos 100m livre, Ribeiro tem o segundo melhor tempo da temporada, com 49s16. Já nos 50m, o atleta conseguiu a marca de 22s65, a sexta no ano. Mas uma outra curiosidade chama mais a atenção. Isso porque, nem mesmo Cesar Cielo conseguiu ser tão veloz com essa mesma idade.

Aos 17 anos, o campeão mundial e olímpico tinha como melhores tempos nos 50m e 100m livre 22s96 e 50s29, respectivamente.

– Isso para mim é muito motivador, pois ele foi campeão olímpico. Costumo pensar: “Se ele foi, por que eu não posso ser também?” E não pense que isso me coloca pressão, nada disso! – afirmou Ribeiro ao LANCE!Net.

Ribeiro começou a praticar a modalidade aos quatro anos por conta de problemas respiratórios. Após disputar as primeiras competições, pegou gosto e decidiu não abandonar mais as piscinas. Atualmente, aos 17, o nadador ainda precisa conciliar os estudos no colégio com as competições. E para o futuro, sonha em cursar Odontologia na faculdade, o que se tornaria um empecilho:

– Teria de largar o que eu mais amo, que é a natação – declarou.

O Brasil conta com 20 atletas no Mundial Júnior de natação. No primeiro dia de disputa, na última terça-feira, Ribeiro esteve na equipe do revezamento 4x100m (com Victor Furtado, Victor Santos e Pedro Spajari), que terminou no quarto lugar, com 3m18s92. O ouro foi da Austrália (3m17s39).

Na madrugada desta quarta-feira, o nadador voltaria à piscina para a disputa dos 200m. Já suas principais provas ocorrem nos próximos dias. Os brasileiros já levaram nove medalhas na história da competição. A expectativa é que o velocista consiga trazer mais algumas em sua bagagem.

QUEM É FELIPE RIBEIRO?

NOME: Felipe Ribeiro de Souza

NASCIMENTO: 19/2/1998 - Santos (SP)

CONQUISTAS: Tem 14 medalhas em torneios internacionais. Seus melhores tempos: 50m livre – 22s65; 100m – 49s16; e 200m – 1m50s62.

CONFIRA UM BATE-BOLA COM FELIPE RIBEIRO:

LANCE!Net: Quem são seus ídolos?
Felipe Ribeiro: Conheço bastante o Nicholas Santos e o Matheus Santana, que são meus companheiros de equipe. Com certeza, os dois são meus ídolos dentro e fora d’água. Me espelho demais neles e gosto de poder sempre pedir dicas.

L!Net: Muitos atletas se destacam como juvenis, mas perdem rendimento no adulto. Isso preocupa?
FR: Quando entro para competir, é raro eu nadar mal na minha melhor forma e perder feio. Acho que estou no caminho certo, tudo vai dar certo.

Um pouco mais de duas semanas após o fim do Mundial de Esportes Aquáticos em Kazan (RUS), os nadadores brasileiros voltam à piscina para outra importante competição. Mas dessa vez, Cesar Cielo, Bruno Fratus, Thiago Pereira e Etiene Medeiros saem de cena para darem lugar a atletas mais jovens para a disputa do Mundial Júnior de Natação, em Cingapura. E uma das principais esperanças de medalhas do Brasil é Felipe Ribeiro, de 17 anos.

O jovem nadador da Unisanta tem despontado como uma revelação nas provas de velocidade. Na competição, que começou ontem, ele foi inscrito no revezamento 4x100m, nos 200m, 100m e 50m livre. E é nas duas últimas disputas que possui mais chances de medalhar.

Nos 100m livre, Ribeiro tem o segundo melhor tempo da temporada, com 49s16. Já nos 50m, o atleta conseguiu a marca de 22s65, a sexta no ano. Mas uma outra curiosidade chama mais a atenção. Isso porque, nem mesmo Cesar Cielo conseguiu ser tão veloz com essa mesma idade.

Aos 17 anos, o campeão mundial e olímpico tinha como melhores tempos nos 50m e 100m livre 22s96 e 50s29, respectivamente.

– Isso para mim é muito motivador, pois ele foi campeão olímpico. Costumo pensar: “Se ele foi, por que eu não posso ser também?” E não pense que isso me coloca pressão, nada disso! – afirmou Ribeiro ao LANCE!Net.

Ribeiro começou a praticar a modalidade aos quatro anos por conta de problemas respiratórios. Após disputar as primeiras competições, pegou gosto e decidiu não abandonar mais as piscinas. Atualmente, aos 17, o nadador ainda precisa conciliar os estudos no colégio com as competições. E para o futuro, sonha em cursar Odontologia na faculdade, o que se tornaria um empecilho:

– Teria de largar o que eu mais amo, que é a natação – declarou.

O Brasil conta com 20 atletas no Mundial Júnior de natação. No primeiro dia de disputa, na última terça-feira, Ribeiro esteve na equipe do revezamento 4x100m (com Victor Furtado, Victor Santos e Pedro Spajari), que terminou no quarto lugar, com 3m18s92. O ouro foi da Austrália (3m17s39).

Na madrugada desta quarta-feira, o nadador voltaria à piscina para a disputa dos 200m. Já suas principais provas ocorrem nos próximos dias. Os brasileiros já levaram nove medalhas na história da competição. A expectativa é que o velocista consiga trazer mais algumas em sua bagagem.

QUEM É FELIPE RIBEIRO?

NOME: Felipe Ribeiro de Souza

NASCIMENTO: 19/2/1998 - Santos (SP)

CONQUISTAS: Tem 14 medalhas em torneios internacionais. Seus melhores tempos: 50m livre – 22s65; 100m – 49s16; e 200m – 1m50s62.

CONFIRA UM BATE-BOLA COM FELIPE RIBEIRO:

LANCE!Net: Quem são seus ídolos?
Felipe Ribeiro: Conheço bastante o Nicholas Santos e o Matheus Santana, que são meus companheiros de equipe. Com certeza, os dois são meus ídolos dentro e fora d’água. Me espelho demais neles e gosto de poder sempre pedir dicas.

L!Net: Muitos atletas se destacam como juvenis, mas perdem rendimento no adulto. Isso preocupa?
FR: Quando entro para competir, é raro eu nadar mal na minha melhor forma e perder feio. Acho que estou no caminho certo, tudo vai dar certo.