Rafael Luz e Larry Taylor disputam a semi do NBB e uma vaga na Olimpíada do Rio de Janeiro (Foto: João Pires/LNB)

Rafael Luz e Larry Taylor disputam a semi do NBB e uma vaga na Olimpíada do Rio de Janeiro (Foto: João Pires/LNB)

Felipe Domingues
17/05/2016
09:05
São Paulo (SP)

Quanto pode valer uma vitória em uma semifinal? Essa pergunta pode ser respondida de várias formas. Porém, aos armadores Rafael Luz, do Flamengo, e Larry Taylor, do Mogi das Cruzes, um triunfo nesta terça-feira pode significar o sonho de uma Olimpíada em casa. As equipes se enfrentam no último jogo da série em melhor de cinco na semi do NBB, no Rio de Janeiro, às 21h. Quem vencer, leva a vaga na final e, por que não, vantagem na briga por um posto na Rio-2016.

Nessa temporada, o time carioca foi melhor na fase de classificação, já que liderou a competição, com 23 vitórias em 28 jogos. Os paulistas, por sua vez, terminaram em sexto lugar, com 19 triunfos.

E os dois clubes tiveram em Taylor e Luz dois de seus principais nomes. O primeiro teve médias de 28,5 minutos, 11,51 pontos e 3,97 assistências na primeira fase, enquanto, nos mesmos quesitos, o segundo anotou 23,16, 6,66 e 4,20.

'Em certo momento, quando parecia que só existia o Marcelinho Huertas, o Raulzinho começou a jogar em um grande nível, assim como o Ricardo Fischer, o Deryk, eu... Será uma posição bem disputada' - Rafael Luz

Na briga pela vaga nos Jogos, o americano naturalizado pode levar vantagem, já que esteve em Londres (ING), em 2012. Na ocasião, ajudou o Brasil a ficar em quinto.

– Sempre penso na Olimpíada. Seria muito bom ir para mais uma. Estou com 35 anos, então essa seria minha última chance. Tenho de fazer o meu melhor no NBB e, quando acabar, veremos se eu serei convocado de novo – comentou.

O técnico Rubén Magnano convocará atletas para um período de treinamentos e, depois, definirá a lista de 12 nomes que irá ao Rio. Dois armadores são praticamente certos: Marcelinho Huertas, do Los Angeles Lakers, e Raulzinho, do Utah Jazz.

Em busca da vaga, Luz, de 24 anos, tenta levar seu time à final, na qual pode ganhar mais experiência. Na lista da última Copa do Mundo, em 2014, por exemplo, seu nome foi preterido em relação aos três citados. Agora, ele quer mudar isso.

'Dá para brigar por medalha. Em 2012 fomos quinto em Londres e, desde então, a Seleção melhorou muito. Estamos com sede. Jogando em casa, todos querem vencer'
- Larry Taylor

– Espero estar nessa lista. Acho que brigo com o Marcelinho Huertas, Raulzinho e Deryk (do Brasília) – disse, sem citar o americano.

– Quero mostrar que posso estar entre os três. Infelizmente não há nada garantido. Sei que o Magnano está acompanhando o NBB, então precisamos jogar bem para garantir a convocação – completou Luz.

Se existe alguma dúvida, quem sabe um confronto direto não traz respostas. Hoje, Larry Taylor e Rafael Luz entram em quadra de olho em mais do que a vaga na decisão.