Gabriel Medina (SP)

Gabriel Medina conquistou Teahupoo em 2014 (WSL / Kelly Cestari)

LANCE!
13/08/2017
12:52
Teahupoo (TAH)

Os paulistas Gabriel Medina e Wiggolly Dantas são os únicos remanescentes da Tempestade Brasileira em Teahuppo, no Taiti. Após vencerem suas baterias no último sábado, eles buscam, neste domingo, a partir às 14h (horário de Brasília), seu primeiro título na temporada 2017. Independente das condições do mar, a sétima parada do Circuito Mundial será encerrada.

O último sábado foi mais um dia com o mar variando bastante e faltaram ondas na maioria das baterias com os longos intervalos entre as séries. Entre os brasileiros, quem competiu numa hora boa do mar foi o potiguar Ítalo Ferreira, que conseguiu notas 7,67 e 8,87 nos dois melhores tubos que surfou. No entanto,o australiano Julian Wilson também pegou boas ondas e botou pra dentro dos canudos para vencer por 17,46 a 16,54 pontos, somando notas 9,13 e 8,33.

As outras baterias dos brasileiros na terceira fase foram marcadas por longas calmarias, com poucas ondas entrando para surfar. O campeão mundial Gabriel Medina esperou mais de 20 minutos para pegar uma nos últimos segundos e garantir a  vitória. Os juízes deram nota 7,43, que garantiu a virada no placar para 14,60 a 13,23 pontos. O australiano Bede Durbdige tinha surfado um dos tubos mais profundos e difíceis do campeonato – nota 9,73 – e acabou derrotado no último minuto. Foi a terceira vez que ele perdeu para Medina na terceira fase esse ano.

- Espero que não tenha matado ninguém do coração (risos). Mas, eu não tinha o que fazer, a não ser esperar mais uma chance para surfar e ela só veio nos últimos segundos. Ainda bem que rodou o tubo e eu pude sair para conseguir a nota que precisava. Eu também adoro fazer aéreos e o vento estava bom para voar naquela hora. Estou feliz por ter dado tudo certo e espero conseguir mais um bom resultado aqui - brincou Gabriel Medina.

O brasileiro começou a bateria arriscando aéreos. Errou o primeiro, mas na segunda onda completou um "full rotation" e saiu desferindo manobras potentes para largar na frente com nota 7,17. Só que Bede Durbidge respondeu num tubaço incrível que arrancou nota 9,73, a segunda maior do campeonato até ali. Medina ficou então com a prioridade até o fim e só pegou outra onda no último minuto, sendo abençoado com um belo tubo para seguir na disputa do título no Taiti.

Com a classificação para a quarta fase, Medina ganhou uma posição no ranking e aparece em oitavo lugar, ultrapassando Filipe Toledo, que já caiu de sétimo para nono. E ainda pode até tirar a quinta colocação de Adriano de Souza, se conseguir repetir a vitória de 2014 no Taiti. Em seu primeiro desafio no domingo, Gabriel Medina vai disputar a segunda vaga direta para as quartas de final com o líder da corrida do título mundial, Matt Wilkinson, e o californiano Kolohe Andino. Os perdedores têm outra chance de classificação na quinta fase.

Wiggoolly Dantas barra Adriano de Souza

Wiggolly Dantas também ganhou posições com a passagem para o último dia, mas na parte de baixo da tabela. Por ter chegado na quarta fase, ele entrou no grupo dos 22 primeiros do ranking que são mantidos no WCT para o ano que vem.

A bateria brasileira foi fraca de ondas e ele teve sorte de pegar uma primeira boa, para fazer um tubo nota 8,00. Adriano de Souza ficou praticamente o tempo todo sem surfar e só pegou uma onda, que também proporcionou um belo tubo nota 8,17.

Mas, foi só para o campeão mundial de 2015, enquanto Guigui ainda pega outra onda para confirmar a vitória por 13,33 a 9,57 pontos. Essa foi a primeira vez que Wiggolly ganhou um duelo eliminatório contra Mineirinho em etapas do WCT. Com a saída do capitão da Tempestade Brasileira, restaram quatro surfistas na disputa pela ponta do ranking no Taiti, o camiseta amarela Matt Wilkinson, o atual campeão mundial John John Florence, além de Jordy Smith e Owen Wright.

- O Adriano é um grande surfista e competidor, então eu foquei em pegar as melhores ondas da bateria e ter começado bem foi muito importante. Eu estou muito feliz por ter vencido. Estou sentindo uma certa pressão por estar precisando de bons resultados, o que nunca é bom. Agora consegui dar uma subida no ranking e espero poder surfar sem tanta pressão daqui pra frente -disse Wiggolly Dantas

Guigui está na bateria que vai abrir o domingo. A disputa pela primeira vaga nas quartas de final será contra dois australianos, Connor O´Leary e Owen Wright, que derrotou o pernambucano Ian Gouveia no confronto que abriu a terceira fase no último sábado por 13,77 a 10,60 pontos. Os dois só conseguiram pegar duas ondas na bateria, que aconteceu logo após Wiggolly conquistar a única vitória brasileira na repescagem, despachando o havaiano Ezekiel Lau por 12,57 a 8,03 no duelo que fechou a segunda fase.

Confira os resultados da terceira fase e os duelos da quarta:

Round três

1: Owen Wright (AUS) 13,77 X 10,60 Ian Gouveia (BRA)
2: Connor O´Leary (AUS) 14,33 X 13,27 Jeremy Flores (FRA)
3: Wiggolly Dantas (BRA) 13,33 X 9,57 Adriano de Souza (BRA)
4: Gabriel Medina (BRA) 14,60 X 13,23 Bede Durbidge (AUS)
5: Kolohe Andino (EUA) 12,67 X 12,27 Sebastian Zietz (HAV)
6: Matt Wilkinson (AUS) 11,57 X 8,67 Ethan Ewing (AUS)
7: John John Florence (HAV) 18,70 X 15,23 Nat Young (EUA)
8: Conner Coffin (EUA) 13,77 X 12,90 Michel Bourez (TAH)
9: Julian Wilson (AUS) 17,46 X 16,54 Ítalo Ferreira (BRA)
10: Joan Duru (FRA) 16,40 X 14,40 Joel Parkinson (AUS)
11: Adrian Buchan (AUS) 16,70 X 15,90 Mick Fanning (AUS)
12: Jordy Smith (AFR) 15,00 X 2,46 Kanoa Igarashi (EUA)

Quarta fase

1: Owen Wright (AUS) X Connor O´Leary (AUS) X Wiggolly Dantas (BRA)
2: Matt Wilkinson (AUS) X Gabriel Medina (BRA) X Kolohe Andino (EUA)
3: John John Florence (HAV) X Julian Wilson (AUS) X Conner Coffin (EUA)
4: Jordy Smith (AFR) X Adrian Buchan (AUS) X Joan Duru (FRA)