Falcão

Falcão é celebrado pelos jogadores após vitória sobre a Colômbia (Foto: NR Eventos/Divulgação)

Jonas Moura e Rafael Bortoloti
26/03/2017
16:58
Rio de Janeiro (RJ)

O desejo não era apenas encerrar a carreira de 20 anos na Seleção Brasileira com uma vitória diante da própria torcida. Falcão queria mais. Um toque de calcanhar, que levou o público ao delírio no segundo tempo do triunfo por 3 a 2 sobre a Colômbia, no Rio de janeiro, quase selou a despedida perfeita do maior astro em solo carioca. Emocionado, o paulista minimizou o fato, mas prometeu se esforçar para fazer ainda mais bonito na despedida oficial, em setembro.
 
– Era um gol que poderia ter acontecido na despedida. Seria um roteiro perfeito. Mas não posso reclamar de nada. No primeiro toque, saiu o gol. O desenho de hoje foi dessa forma, mas espero que o de setembro tenha alguma coisa especial – declarou Falcão.

O duelo esteve longe de ser só uma festa. Os rivais impuseram ritmo forte e assustaram diversas vezes nos contra-ataques na segunda etapa. Por pouco, o empate não aconteceu. Mais de uma vez, Falcão entrou no jogo para arrumar a casa. Mas ele mesmo admitiu o nervosismo pela ocasião.

– Não dormi nada. É uma ansiedade muito grande. Tentei separar a emoção do jogo pela minha despedida da preparação da Seleção. A Colômbia não veio aqui só para jogar, mas para ganhar. Em certo momento, essas coisas me quebram um pouquinho, mas fazer o gol logo no primeiro toque na bola tirou aquele peso da ansiedade e acabou sendo tudo bom no final – disse o astro.

O jogador, que seguirá a carreira nas quadras por seu clube, o Magnus Futsal, por mais um ou dois anos, terminou a partida com um gol e uma assistência para Leandro Lino. E deixou claro que ainda quer uma despedida ainda melhor em São Paulo, sua cidade-natal, no segundo semestre deste ano. 

– Fico feliz de ter feito parte da história, de ter essa pré-despedida aqui no Rio de Janeiro. Quero agora preparar algo muito legal para meus filhos e minha família em São Paulo. Foi a última convocação oficial, mas ainda tem mais um joguinho. Aquela emoção de saber que é a última vez vai pegar de verdade.