icons.title signature.placeholder RADAR/LANCEPRESS!
icons.title signature.placeholder RADAR/LANCEPRESS!
20/08/2015
13:26

As eliminatórias do 4º dia do Finkel 2015, ocorridas nesta quinta-feira, tiveram a volta por cima de João Gomes Junior, do Pinheiros, que voltou a competir após cumprir pena por doping. João marcou 1m00s47 nos 100m peito, curiosamente a mesma marca do recorde de campeonato da prova, que já era seu desde 2011. As finais acontecem a partir das 18h30 e o Finkel vai até este sábado.

- A sensação é a melhor do mundo. Não tenho nem o que falar e sim fazer. Lógico que queria nadar na casa dos 59 segundos, mas estou feliz demais, poder respirar isto novamente. Foi bastante difícil ter ficado de fora de duas competições importantíssimas (Pan e Mundial) para o treinamento no ciclo olímpico. Agora quebrei o gelo e à tarde, vou tentar nadar melhor. Acho que Deus não põe nenhuma dificuldade que não possamos carregar. Já passou, carreguei meu fardo, agora é bola pra frente. Estou mais fortalecido mentalmente e muito mais disposto. Quero muito isto - resumiu João, que foi seguido de perto pelos dois Felipes. O Lima, do Minas Tênis, chegou em 1m00s91, enquanto o França, do Corinthians, fez 1m00s94.

Nos 100m peito feminino, a australiana Taylor Mckeown, do Minas Tênis, uma das estrelas da competição, foi a melhor com direito a recorde de campeonato, 1m09s34. A revelação Jhennifer Conceição, do Flamengo, que disputou o Pan de Toronto e o Mundial de Kazan, veio a seguir com 1m09s54. O recorde anterior do Finkel era da argentina Julia Sebastian, da Unisanta, 1m09s44, feito em 2013. Julia também competiu, novamente pela Unisanta, fez o quarto tempo, 1m10s98, atrás ainda de Beatriz Travalon, do Pinheiros, 1m10s40.

Nos 200m borboleta masculino, o melhor tempo ficou com o recordista sul-americano da prova desde 2009, Kaio Márcio, do Minas Tênis, que marcou 1m59s31, seguido por Lucas Salatta, do Corinthians, 2m00s33. Na versão feminina, Joanna Maranhão, do Pinheiros, também recordista sul-americana da prova, garantiu vaga na raia 4 da final da noite, com 2m14s68, bem à frente da segunda melhor colocada das eliminatórias, Giovanna Diamante, do Sesi, 2m18s20.

As eliminatórias do 4º dia do Finkel 2015, ocorridas nesta quinta-feira, tiveram a volta por cima de João Gomes Junior, do Pinheiros, que voltou a competir após cumprir pena por doping. João marcou 1m00s47 nos 100m peito, curiosamente a mesma marca do recorde de campeonato da prova, que já era seu desde 2011. As finais acontecem a partir das 18h30 e o Finkel vai até este sábado.

- A sensação é a melhor do mundo. Não tenho nem o que falar e sim fazer. Lógico que queria nadar na casa dos 59 segundos, mas estou feliz demais, poder respirar isto novamente. Foi bastante difícil ter ficado de fora de duas competições importantíssimas (Pan e Mundial) para o treinamento no ciclo olímpico. Agora quebrei o gelo e à tarde, vou tentar nadar melhor. Acho que Deus não põe nenhuma dificuldade que não possamos carregar. Já passou, carreguei meu fardo, agora é bola pra frente. Estou mais fortalecido mentalmente e muito mais disposto. Quero muito isto - resumiu João, que foi seguido de perto pelos dois Felipes. O Lima, do Minas Tênis, chegou em 1m00s91, enquanto o França, do Corinthians, fez 1m00s94.

Nos 100m peito feminino, a australiana Taylor Mckeown, do Minas Tênis, uma das estrelas da competição, foi a melhor com direito a recorde de campeonato, 1m09s34. A revelação Jhennifer Conceição, do Flamengo, que disputou o Pan de Toronto e o Mundial de Kazan, veio a seguir com 1m09s54. O recorde anterior do Finkel era da argentina Julia Sebastian, da Unisanta, 1m09s44, feito em 2013. Julia também competiu, novamente pela Unisanta, fez o quarto tempo, 1m10s98, atrás ainda de Beatriz Travalon, do Pinheiros, 1m10s40.

Nos 200m borboleta masculino, o melhor tempo ficou com o recordista sul-americano da prova desde 2009, Kaio Márcio, do Minas Tênis, que marcou 1m59s31, seguido por Lucas Salatta, do Corinthians, 2m00s33. Na versão feminina, Joanna Maranhão, do Pinheiros, também recordista sul-americana da prova, garantiu vaga na raia 4 da final da noite, com 2m14s68, bem à frente da segunda melhor colocada das eliminatórias, Giovanna Diamante, do Sesi, 2m18s20.