Tiago Splitter - Atlanta Hawks

Lesionado, Tiago Splitter está fora da Olimpíada do Rio de Janeiro, em agosto (Foto: Kevin C. Cox/AFP)

Felipe Domingues
17/02/2016
17:16
São Paulo (SP)

Uma notícia abalou o basquete brasileiro nesta terça-feira. O pivô brasileiro Tiago Splitter, que atua pelo Atlanta Hawks, fará uma cirurgia no quadril nesse mês e, assim, ficará fora da Olimpíada do Rio de Janeiro.

Sentindo muitas dores no lado direito do local, o catarinense de 31 anos precisará de oito meses para se recuperar do procedimento cirúrgico e, assim, não terá tempo hábil para voltar aos Jogos do Rio, que acontecem em agosto.

Dois comentaristas e ex-jogadores da modalidade no canal ESPN, Eduardo Agra e Zé Boquinha, conversaram com o LANCE! nesta quarta-feira e mostraram preocupação com ausência de um dos principais jogadores do elenco. Além disso apontaram quem seria o substituto ideal para Splitter.

Para eles, Anderson varejão é o principal nome para dividir o garrafão com Nenê. Além deles, surgiram os nomes de Caio Torres, do Paulistano, Augusto Lima, do Real Madrid, e Rafael Hettsheimeir, do Bauru.

Thiago Splitter, Anderson Varejão e Nenê
(Esq. para a dir.) Splitter, Anderson Varejão e Nenê (Fotos: AFP)

Dos substitutos prováveis, Nenê voltou de lesão recentemente no Washington Wizards, assim como Varejão. O segundo, porém, não vem atuando por muitos minutos no Cleveland Cavaliers, e uma possível falta de ritmo pode preocupar para os Jogos.

Torres, que já defendeu a Seleção Brasileira em Mundiais, vem fazendo boa temporada pelo Paulistano, que luta pela liderança do NBB, com médias de 25,4 minutos por partida, 15,8 pontos e 6,4 rebotes.

Hettsheimeir tem o arremesso como forte (Foto: Divulgação)
Hettsheimeir tem o arremesso como forte (Foto: Divulgação)

Hettsheimeir, do Bauru, também tem experiência com a Seleção e, no NBB, tem média de 16,4 pontos e 28,2 minutos, além de 5,6 rebotes. Seus arremessos de três também podem ser um diferencial na equipe.

Augusto Lima, por sua vez, entrou bem na conquista da medalha de ouro no Pan-Americano de Toronto (CAN), no ano passado, sendo um dos principais destaques da equipe brasileira. Recentemente, acertou transferência para o atual campeão mundial, o Real Madrid.

Caio Torres já disputou Mundial com a Seleção (Foto: Divulgação)
Caio Torres já disputou Mundial com a Seleção (Foto: Divulgação)

Confira abaixo a opinião dos comentaristas sobre o brasileiro:

Eduardo Agra - Comentarista do canal ESPN e ex-jogador

"Pelo lado pessoal eu fico muito sentido. Ele trabalhou com a gente na transmissão das Finais da NBA e nós passamos a gostar dele como pessoa. Ele sempre teve muita vontade e sempre gostou de estar na Seleção. Ele deve estar muito abatido agora.

Ele é um dos líderes da seleção, silencioso, mas sempre tem sido. É um cara sério e lidera na base do exemplo. Sempre com atitudes positivas.

Taticamente falando, ele vai fazer falta, porque é um cara importante no garrafão. O Nenê tem um histórico de lesões e o Varejão, que vem de uma lesão séria também, vem jogando pouco no Cleveland. Você perde um cara experiente, campeão da NBA, alto, e com uma presença importante. Ele faz muita coisa que não aparece nas estatísticas. A Seleção vai sentir sem ele.

Mas também tem uma molecada nova muito boa. O Augusto Lima, que foi para o Real Madrid, jogou muito bem no Pan-Americano, e pode ajudar no garrafão, além de ter essa versatilidade de sair um pouco da cesta e arremessar de fora. O Rafael Hettsheimeir não é um cara de garrafão, mas também pode ajudar. E o Cristiano Felício vem jogando bem na D-League e recebendo algumas chances no Bulls, também pode ser observado. Tem outros caras também, nessas posições você pode dar um jeito. Mas você perde um líder com a saída do Tiago.

Quanto aos que jogam no Brasil, o Caio Torres está em ótima forma física e já esteve na Seleção. Já o Paulão Prestes é mais difícil, ele já teve algumas contusões mais sérias e tem muitos altos e baixos em Mogi das Cruzes.

Na minha lista, na ordem, eu colocaria Caio Torres, Augusto Lima e Rafael Hettsheimeir".

Augusto Lima (Foto: AFP)
Augusto Lima pode ser uma opção para o Brasil (Foto: AFP)

Zé Boquinha - Comentarista do canal ESPN e ex-jogador

"O Brasil perde bastante sem o Tiago Splitter, pela experiência dele e o que ele representa. É uma perda lastimável. Já não temos tantos recursos, então, é difícil perder um jogador assim. Tecnicamente ele não é decisivo, mas é uma liderança silenciosa. É um verdadeiro pivô 'cinco', um xerife de garrafão, marcação e rebote. Vamos ter de apostar muito no Nenê, mas nunca sabemos como ele vem. O Varejão está bombardeado, com um problema no tendão de Aquiles, que é muito complicado.

O Varejão seria o substituto ideal, se estiver em forma. Essa falta de jogos vai pesar muito contra ele. Estou torcendo até pra ele trocar de time nesse período de trocas da NBA. Mas vamos depender muito dos jogadores de fora, como sempre foi o basquete brasileiro. Precisamos dar moral para os chutadores de três pontos e jogar o basquete que sempre jogamos: velocidade, transição e arremesso.

O Caio Torres e o Rafael Hettsheimeir seriam ideais para compor o elenco, porque são experientes. Em Olimpíada você só pode lançar alguém que for monstruoso, como um Stephen Curry, por exemplo. Você tem de levar quem tenha tempo de jogo, jogou fora do país e não vai sentir a pressão do jogo".