RADAR/LANCE!
18/04/2016
12:16
Rio de Janeiro (RJ)

Em um esporte tão disputado e com tantos candidatos a medalhas quanto o tiro esportivo, é raro ver um competidor que consegue dois pódios em competições seguidas. Neste domingo, o espanhol Alberto Fernandez conseguiu um feito ainda mais difícil: obteve a sua segunda medalha de ouro consecutiva em edições da Copa do Mundo de Tiro Esportivo. Ele venceu a final do tiro ao prato - fossa olímpica, depois de também liderar a fase classificatória da etapa do Rio de Janeiro da Copa do Mundo da modalidade, que está sendo disputada no Centro Nacional de Tiro Esportivo (CNTE).

Vencedor em Nicosia (Chipre) há menos de um mês, Fernandez derrotou o belga Yannick Peeters em uma disputa tiro a tiro na final. Depois de um empate na série inicial, a medalha de ouro veio em um shoot-off (desempate) de 7 x 6. Peeters, por sua vez, leva para casa sua primeira medalha em Copas do Mundo, assim como o terceiro colocado, Jean Pierre Brol Cardenas, da Guatemala. Os brasileiros Emilson Menarim, Emanuel Munaretto e Carlos Alberto da Costa ficaram nas 48ª, 56ª e 59ª posições, respectivamente.

- Fiquei muito feliz com essa segunda medalha de ouro. Estou orgulhoso de ter conseguido aqui no centro que abrigará os Jogos Olímpicos. Trabalhei muito duro durante os últimos meses e foi muito bom ver esse trabalho recompensado. Agora tenho que trabalhar ainda mais para voltar aqui em agosto - afirmou Fernandez.

Pistola de ar

Na outra final do dia, a campeã olímpica de 2004, Olena Kostevych, da Ucrânia, ganhou a medalha de ouro da pistola de ar 10m feminina. Na final, ela não deu a mínima chance às suas sete concorrentes e alcançou 201,7 pontos. A medalhista de prata, Antonaeta Boneva (Bulgária), chegou a 197,7. O bronze ficou com Teo Shun Xie, de Singapura. As brasileiras que participaram da prova foram: Rachel Silveira (36ª colocada), Ana Luiza Souza Lima (47ª) e Ana Paula Cotta (57ª).

Na pistola de ar 10m, os atiradores miram em um alvo eletrônico e acompanham seus resultados em um monitor ao lado da sua posição de tiro. Na fase classificatória, os pontos são inteiros, de sete a dez, de acordo com a proximidade do centro. Cada competidor faz séries de dez tiros (seis séries no masculino e quatro no feminino). A quantidade de vezes que o competidor fez a pontuação máxima (dez pontos) é usada como critério de desempate. Os oito melhores seguem para a final. Na final, há diferenças em casas decimais. Um tiro pode valer 9.8 ou 10.9, por exemplo.

Evento-teste

A competição segue até o dia 24 de abril no Centro Nacional de Tiro Esportivo, localizado em área do Exército Brasileiro, em Deodoro. O Centro foi construído em 2007 para os Jogos Pan-Americanos. Com 50 mil metros quadrados e estandes para todas as provas dos programas olímpico e paralímpico, a instalação passou por reforma e ampliação para 2016, com investimento federal de R$ 38,3 milhões.

O torneio também está testando protocolos para os Jogos Olímpicos Rio 2016. Estão sendo avaliadas as áreas esportivas e de tecnologia, o sistema de resultados, a logística de competição, aspectos de arquitetura e engenharia da instalação, a segurança e a apresentação das provas, com locutores e DJs.