Ed

Edmilson em cena do filme ‘O Shaolin do Sertão’ (Foto: Divulgação)

Guilherme Cardoso
01/11/2016
06:05
São Paulo (SP)

Edmilson Filho. O nome que hoje ilustra os cartazes de um dos principais filmes brasileiros lançados neste ano, “O Shaolin do Sertão”, bem que poderia estar em outro lugar. E não estamos falando da televisão ou dos teatros, onde a alcunha já tem suas aparições, mas das páginas históricas do esporte nacional, inclusive de uma edição dos Jogos Olímpicos, mais especificamente no taekwondo.

Afinal, o hoje ator e comediante brasileiro por pouco não seguiu brilhando nos tatames representando o país.

– Minha carreira artística e de atleta começaram praticamente na mesma época. Inicialmente, praticava o kung fu. Depois, fui para o taekwondo. Por volta de 1996 e 1997, ganhei um festival de humor no Ceará, mas resolvi dar uma pausa. Queria ser atleta – explicou o ex-esportista cearense ao LANCE!.

"Sou melhor ator.
Como esportista, era melhor professor do que atleta", Edmilson Filho

Nascido em Fortaleza no dia 21 de setembro de 1976, Edmilson se apaixonou pelas lutas ainda criança, quando assistiu a alguns filmes de Bruce Lee. Até por isso, seu início foi no kung fu. Ao mesmo tempo, o jeito brincalhão, descontraído e sem qualquer inibição sempre aflorou o lado comediante. Mas a decisão pelo esporte veio quando as duas coisas começaram a ficar mais sérias.

– Participei festivais de comédia nos anos 90, era como se fosse um stand up. Mas quando peguei a faixa preta, como esses eventos eram mais à noite, tive de deixar de lado. Queria ser atleta full time – declarou.

Focado no taekwondo, Edmilson logo começou a colher os resultados. Apesar de toda a dificuldade, comum para um esportista vindo do Nordeste do Brasil na época, ele passou a ganhar competições locais, regionais e até nacionais. Como resultado, conseguiu uma vaga na Seleção Brasileira no fim dos anos 90. O principal sonho: participar de uma edição dos Jogos Olímpicos:

– Nos anos 90, tinham os festivais olímpicos de verão em Copacabana, que valiam para ir à Olimpíada. Na época, nos Jogos de Sydney (em 2000), classificavam o país, não o atleta. Então, com apenas uma vaga para o Brasil, foi só uma mulher (Carmen Silva, na categoria até 57kg).

"Comecei a lutar por conta dos filmes dos anos 70 de kung fu. No Ceará, não existia taekwondo, apenas o kung fu por causa do
cinema. Hoje, sou
protagonista de um
filme com artes marciais. Talvez, alguém comece a
praticar por isso", Edmilson Filho

Apesar da não classificação olímpica, o hoje ator/comediante participou de Campeonato Pan-Americano, ganhou abertos em Londres e na Califórnia, e viajou para mais de 20 países. Só que as frustrações passaram a incomodar. Como na vez em que ficou fora de uma edição dos Jogos Pan-Americanos ao ser substituído de última hora por um outro atleta, por questões políticas.

Longe da Olimpíada, Edmilson resolveu deixar o Brasil para competir. O primeiro destino foi a Califórnia, onde conheceu sua esposa Melissa – o casal tem duas filhas: Maddie, de sete anos, e Cloe, de dez. Ele ainda passou um período em Londres. Nos dois locais, abriu academias para dar aula. E foi então que a arte voltou para sua vida.

– Em 2004, fui convidado para fazer meu primeiro curta-metragem. Você não vira ator, eu já era. Apenas dei uma pausa para virar atleta. Meu sonho era ir para a Olimpíada, mas não concretizei. Depois que tive a oportunidade de fazer cinema, se colocasse a mesma energia da época do esporte, sabia que teria algum sucesso – disse.

Por conta da vida artística, Edmilson tinha pouco tempo para os antigos negócios e precisou deixar suas academias. Seu primeiro grande filme foi “Cine Holliúdy”, em 2013, até “reencontrar o esporte” em “O Shaolin do Sertão”. Hoje, o taekwondo se transformou apenas em um hobby e em uma ferramenta artística.

Ruim para o esporte brasileiro, melhor para o cinema nacional.

O FILME:
"O SHAOLIN DO SERTÃO"

Shaolin do Sertão
O pôster do filme 'O Shaolin do Sertão' (Foto: Divulgação)

Sinopse: Início da década de 80, interior do Brasil. Um lutador profissional que sonha em voltar a lutar confronta um alienado por filmes de kung fu (Aluiso Li – Edmilson Filho), que quer voar como os ninjas de seus filmes preferidos. Com 1h40 de duração, foi lançado oficialmente em 13 de outubro. Dirigida por Halder Gomes, a comédia tem no elenco Edmilson Filho, Dedé Santana, Fábio Goulart, Marcos Veras, Falcão (cantor), entre outros.