Marílson Gomes dos Santos

Marílson se tornou o primeiro sul-americano a vencer a Maratona de Nova York  (Foto:Divulgação)

LANCE!
04/11/2016
15:48
São Paulo

Marílson Gomes dos Santos participou de sua última competição nos Jogos Olímpicos Rio-2016, aos 39 anos. O mais novo membro de gerentes do Clube de Atletismo BM&FBOVESPA, relembra a conquista da Maratona de Nova York, onde se tornou o primeiro sul-americano a vencer a prova. A conquista mudou completamente a relação do atleta com o esporte.

- Essa vitória foi muito especial. Foi quando eu, pessoalmente, comecei a acreditar que poderia mesmo correr a distância, que era capaz. Depois de ganhar a Maratona de Nova York pela primeira vez, consegui alcançar os objetivos que queria: quebrei o recorde sul-americano da meia-maratona em 2007 - era o único não africano a correr abaixo de 1h (59min33), melhorei minha marca na maratona também (em Londres/2007 fez 2h08min37), ganhei Nova York pela segunda vez em 2008 e participei de três Olimpíadas - relembrou o fundista.

Marílson correu em Nova York outras quatro vezes: foi 8º em 2007, conquistou o bicampeonato em 2008, abandonou a prova em 2009 no km 34 e foi 10º em 2010. Segundo ele, a primeira conquista na cidade americana abriu muitas portas no mundo do atletismo.

- Depois de vencer em Nova York, pude correr em qualquer outra maratona. Poderia escolher qualquer uma que quisesse, ficou muito mais fácil, o que não é sempre que acontece. Quando você é um corredor iniciante, ou não tem um tempo muito bom, entrar em uma prova pode ser bem burocrático. Mas recebi convites de várias maratonas, até mesmo no meu último ano - afirmou.

O ex-fundista também recordou ter sido alvo de desconfiança antes da maratona. Contudo, após a conquista, até seu acento no vôo para o Brasil foi transferido para a primeira classe.

- Começou a surgir repórter não sei de onde. Foi um negócio maluco. Fui a vários eventos, tive inúmeros compromissos com a organização, fui ao programa do David Letterman, mas acabei não entrando porque o tempo acabou", recorda. "Tive a oportunidade de correr todas as grandes maratonas do mundo, mas, sinceramente, Nova York é 'a' maratona. É um show, da largada à chegada, com toda a cidade mobilizada. É mais que uma prova, é um grande evento - contou.

Hoje Marílson trabalha no Clube de Atletismo BM&FBOVESPA, onde sempre treinou, como gerente, cuidando das categorias de base da equipe. 

- Quero ajudar a detectar novos talentos, fazer o intercâmbio com atletas que já tenham bons resultados. Quero viajar para ver competições, observar a garotada que está competindo - concluiu.