Antonio Carlos Barbosa

Barbosa não sabe com quais jogadoras vai contar em evento-teste (Foto: Divulgação/CBB)

Guilherme Cardoso
04/01/2016
07:05
São Paulo (SP)

Dia 6 de janeiro, quarta-feira: data da apresentação das jogadoras da Seleção Brasileira feminina, em São Paulo (SP), para a disputa do evento-teste da modalidade para os Jogos Olímpicos Rio-2016 (entre 15 e 17/1). Mas com dois dias para a data ainda resta uma dúvida: quem vai se apresentar no hotel na capital paulista? Em meio à crise no basquete feminino, nem o técnico Antonio Carlos Barbosa ou dirigentes da Confederação Brasileira de Basquete (CBB) e dos clubes sabem responder tal dúvida.

– A situação segue indefinida. Não foi formalizada a dispensa de ninguém, a não ser de duas atletas por lesão (Damiris e Nádia). Estamos na expectativa, aguardando até esta segunda ou terça-feira os pedidos de dispensa. Mas deixo isso com o administrativo. Tenho cuidado da parte técnica – afirmou o comandante da equipe ao site do LANCE!.

A crise entre os clubes que disputam a Liga Feminina e a CBB começou em novembro, quando os seis times participantes da atual edição da competição divulgaram um manifesto contra o “descaso” da entidade nacional com o basquete feminino. Eles cobravam mudanças, entre elas a possibilidade assumirem o time nacional, e ameaçavam não liberar suas atletas para atuarem pela Seleção.

Mediante à convocação do antigo técnico Luiz Augusto Zanon para o evento-teste – todas as 12 atletas são dos clubes –, o problema se agravou. E nem mesmo a chegada de Adriana Santos para o cargo de coordenadora das equipes femininas mudou essa situação.

A ex-atleta garante ter conversado com os dirigentes de todos os clubes e aberto as portas da CBB para um diálogo entre as partes. Mas até agora, o futuro do Brasil entre as mulheres está indefinido.

– Gostaria de uma solução. Tem muita coisa para melhorar? Sim. Fui chamada para ajudar de alguma maneira. Se não fosse assim, não aceitaria. Espero que em um ano olímpico a gente consiga dialogar, melhorar. Não gostaria que as jogadoras não estivessem. É o sonho delas representar a Seleção e serem privadas disso... Elas ficam acuadas, mas chega uma hora que precisam se posicionar também. Não sei como será no dia 6 – disse.

– A Seleção sem os clubes ou os clube sem a CBB e as atletas não existem. Tem de haver uma conversa – completou a coordenadora.

Enquanto a Confederação aguarda por quarta-feira, a maioria das agremiações mantém a posição de não liberar suas atletas para o evento-teste. Como a competição não é em uma data reservada pela Federação Internacional de Basquete, os clubes não são obrigados a cederem as jogadoras. Mas agora depende delas aceitar ou não a convocação.

– Nosso time se reapresentaria neste domingo, com o foco na Liga Feminina. Vamos passar toda nossa programação para elas. Pode ser que algumas falem em deixar uma empresa (o clube) e ir para outra (a Seleção). Mas acredito que vão querer ficar na equipe. Conversamos com as atletas, lógico que queriam ir para a Seleção, mas elas entendem como está sendo feito o trabalho – afirmou Ricardo Molina, presidente do Corinthians/Americana e um dos líderes do colegiado de clubes.

O dirigente, em mensagem divulgada em seu Facebook no último dia 31, disse que algumas atletas receberam e-mails da CBB com ameaças de multa caso faltem à apresentação da Seleção Brasileira. A entidade nega.

– Na minha equipe, definimos que só vamos ceder alguma jogadora quando a CBB não estiver no comando de Vanderlei (Mazzuchini, diretor técnico) e de Carlos Nunes (presidente). Só vamos liberar em torneios oficiais, como o caso da Olimpíada. Quero preservá-las – disse Molina.

Apesar da postura do presidente de Americana, alguns clubes já repensam a situação. Sem atletas convocadas, o Maranhão não tem mais se pronunciado sobre o caso. Já o Sampaio Basquete mudou de ideia e vai liberar as jogadoras. Assim, das 12 chamadas, oito ainda estariam com a apresentação indefinida.

Procurado pelo site do LANCE!, o presidente da CBB Carlos Nunes não atendeu às ligações. Já o diretor Vanderlei Mazzuchini preferiu não se pronunciar nesse momento.

Enquanto isso, a Seleção feminina segue sem saber se vai ter time para disputar o evento-teste.

A CRISE

Início
No fim de novembro, os seis clubes participantes da Liga Feminina (América-PE, Corinthians/Americana, Maranhão, Presidente Venceslau, Sampaio Basquete e Santo André) divulgam comunicado contra o “descaso” da Confederação Brasileira de Basquete (CBB) em relação ao basquete feminino. Eles pedem para assumir a gestão das Seleções femininas, além de ameaçarem não liberar mais as atletas.
......................

Respostas
No dia 2 de dezembro, a CBB divulga nota chamando os clubes para uma reunião na sede da entidade, no Rio de Janeiro, no dia seguinte. Também foram chamados membros do Ministério do Esporte e Comitê Olímpico do Brasil (COB). Já os clubes convocam uma coletiva de imprensa, em São Paulo, para mostrar propostas mudanças.
......................

Convocação
No dia 4 de dezembro, o então técnico Luiz Augusto Zanon convoca 12 atletas para a disputa do evento-teste da Rio-2016, entre 15 e 17 de janeiro. As convocadas são: Adriana (América), Tainá (América), Joice (Corinthians), Tássia (Santo André), Isabela Ramona (Sampaio Basquete), Iziane (Sampaio Basquete), Jaqueline (Santo André), Tatiane (América), Clarissa (Corinthians), Damiris (Corinthians), Gilmara (Corinthians) e Nádia (Sampaio Basquete). Quatro dias depois, os clubes divulgam outro manifesto.
......................

Mudanças
No dia 11 de dezembro, Zanon pede afastamento da Seleção alegando problemas pessoais. Dias depois, Antonio Carlos Barbosa assume a equipe. Já no dia 16, Adriana Santos é anunciada como coordenadora das equipes femininas. Já no dia 30, Damires e Nádia são cortadas por lesão, e Érika de Souza (Adana Aski-TUR) e Karina (Sampaio) são chamadas.