Thomas Bach - COI

Thomas Bach durante congresso sobre combate ao doping na Suíça (Foto: AFP)

LANCE!
08/10/2016
17:29
Rio de Janeiro (SUI)

O Comitê Olímpico Internacional (COI) propôs a criação de uma nova autoridade, sob supervisão da Agência Mundial Antidoping (Wada), para realizar testes contra o uso de substâncias proibidas por atletas no mundo. O tema foi apresentado neste sábado, durante um congresso em Lausanne (SUI).

Com a medida, a entidade pretende reduzir o poder das federações de cada modalidade no assunto. Além disso, a Corte Arbitral do Esporte (CAS), que atualmente é acionada apenas em recursos de esportistas, passaria a ser a única instância autorizada a aplicar sanções em casos de doping.

– Cabe agora à Wada discutir a implementação das reformas, quais serão implementadas, em que grau e, em seguida, apresentar um orçamento. Se ela abraçar seu novo papel, isto significaria um aumento substancial do financiamento – disse o alemão Thomas Bach, presidente do COI.

No modelo em vigor, as federações detêm o controle sobre os testes e as punições, o que, na avaliação do Comitê, vem apresentando falhas recorrentes. A discussão acontece em uma época marcada por escândalos de dopagem, como o que tirou parte da delegação da Rússia da Olimpíada do Rio, em agosto.

Ainda não está claro qual será o nível exato de atuação do novo organismo, mas o COI enfatizou que haverá uma "clara separação de funções" entre a autoridade e Wada. A notícia significou uma reaproximação entre as partes, após uma série de críticas do Comitê pela demora da agência na identificação do esquema orquestrado pelos russos, com amplo apoio do governo.

– A Wada congratula-se com todas as propostas construtivas destinadas a reforçar o desporto limpo. O congresso foi mais uma parada no nosso caminho para nosso fortalecimento e do sistema antidoping global. As recomendações apresentadas serão consideradas juntamente com outras que temos recebido das partes interessadas sobre temas-chave, como modelo de gestão e financiamento da Wada, consequências em caso de não cumprimento, investigações e testes – disse Sir Craig Reedie, presidente da entidade. 

O encontro contou com a presença de nomes forte do esporte no mundo, como o presidente da Fifa, Gianni Infantino, e chefes olímpicos de Estados Unidos, Rússia e China.

As propostas de reforma deverão ser aprovadas na próxima reunião da comissão executiva do COI, em dezembro. O objetivo, segundo a instituição, é tornar a luta antidoping "mais robusta, eficiente e independente".