Volvo Ocean Race: Tudo embolado na subida para a Bahia

Barcos avançam por Espírito Santo e Bahia contornando refinarias de petróleo (Foto: Martin Keruzore/Volvo Ocean Race)

LANCE!
25/04/2018
15:43
Rio de Janeiro (RJ)

A oitava etapa da Volvo Ocean Race segue equilibrada em seu terceiro dia de regata pelo Oceano Atlântico. Os sete barcos, que saíram no domingo de Itajaí (SC), estão espalhados, mas a diferença entre eles em relação à liderança é pequena. O AkzoNobel, da campeã olímpica Martine Grael, passou pelo Rio de Janeiro na última colocação, na cola do Team Brunel, também da Holanda.

No relatório enviado pela organização na tarde desta quarta-feira, o Vestas 11th Hour Racing tinha vantagem de apenas 10 milhas náuticas para o AkzoNobel. A etapa tem como destino Newport (EUA).

Os barcos passam pelas refinarias de petróleo e gás na costa brasileira, principalmente entre São Paulo, Rio de Janeiro e Espírito Santo. Há uma zona de exclusão nesse trecho e por isso os times estão mais a leste do Atlântico. Apenas o Sun Hung Kai/Scallywag está apontado para norte.

– É muito importante conseguir uma boa posição nas próximas 24 horas antes de entrarmos nos ventos alísios. A partir daí será mais lento – disse Kyle Langford, do Team Brunel.

Nesta quinta-feira, os barcos devem entrar nos chamados ventos alísios, já na costa nordestina.

– Estamos navegando pelo lado de fora de uma área de exclusão, outro campo de petróleo. Os ventos são leves e o estado do mar é plano. Ainda estamos com o Vestas no visor e os outros parecem estar atrás de nós. Tenho que estar feliz com isso – disse Dee Caffari, da Turn on Tide on Plastic.

A competição tem o Dongfeng Race Team como líder da classificação geral, com um ponto de vantagem sobre o MAPFRE. O AkzoNobel está em quarto. Faltam ainda quatro etapas para o fim do campeonato.