Arthur Nory - Ginástica Artística Masculina do Brasil

Nory já sonha com medalhas em Tóquio-2020 (Foto: Ricardo Bufolin/CBG)

Carolina Alberti
10/11/2016
07:30
São Paulo

O Campeonato Brasileiro se inicia nesta quinta-feira, no ginásio do E. C. Pinheiros, e contará com cinco atletas da Rio-2016: Daniele Hypólito, Rebeca Andrade, Flavia Saraiva, Francisco Barreto Júnior e Arthur Nory. As provas do individual geral ocorrem hoje, enquanto por equipes e por aparelho serão realizadas no final de semana. A competição será a última do medalhista de bronze na Rio-2016 este ano. Com o fim da competição, Nory realizará uma cirurgia no ombro direito e aproveitará as férias para se recuperar.

– Fiz o exame PRP (Plasma rico em plaquetas) no meu ombro e vi que dava para continuar um pouco, aí decidi competir o Brasileiro – comentou o ginasta de 23 anos.

Como o atleta queria participar da competição, que será realizado no seu clube, o E. C. Pinheiros, Nory adiou a intervenção cirúrgica.

–Clube que eu entrei para a ginstica, que me acolheu desde sempre, entãoTem um gostinho especial e por isso eu fiz este esforço para adiar um pouco a cirurgia – disse.

Ele conta que a preparação para o Campeonato Brasileiro foi menos intensa do que a olímpica. O brasileiro estréia na competição hoje.

– A preparação não está tão grande como foi para competir em uma Olimpíada, mas estou bem, estou bem preparado - afirmou.

Sobre a experiência olímpica, o ginasta vê um ganho de visibilidade na modalidade, que pode trazer esperanças para o esporte brasileiro.

– A ginástica teve muita visibilidade, foram três medalhas, uma dobradinha histórica, então isso foi bom para conhecer não só o Diego Hypólito, Arthur Zanetti, Daiane dos Santos, mas para ver que tem outros ginastas e que é possível chegar lá e isso que é o legal. Este é o legado que a gente vai deixar por um bom tempo na modalidade - explicou.

A Rio-2016 também trouxe muitos fãs,apelidados de Noryzotos. Além disso, o medalha de prata por equipes no Pan de Toronto-2015 também se tornou fonte de inspiração para as novas gerações.

— Não precisa ir pro Japão para ver uma pessoa que é medalhista olímpica. Hoje em dia tem aqui no Brasil, no seu clube, eu acho que isso chega a motivar bastante a garotadaa seguir carreira na ginástica ou em qualquer outro esporte - acredita.

Sobre Tóquio-2020, o atleta do Pinheiros afirma que já começou a se preparar. 

— Já começou, a cabeça já está voltada para Toquio, então por isso que vou fazer a cirurgia logo, para a minha recuperação ser melhor, para antecipar um pouco essa recuperação. 

Ele também revela o desejo de trazer mais medalhas, mesmo admitindo que conquistar uma vaga na equipe masculina será mais difícil.

— Vai ser muito mais difícil porque a equipe agora são só quatro, então vai ter essa briga interna da Seleção Brasileira para saber quem vai, mas minha cabeça já está em Toquio. Eu gostei de ser medalhista. Vou treinar para estar preparado para qualquer aparelho - concluiu