Ação contra fraude na Rio 2016 acha armas, dinheiro e relógios em imóvel de ex-presidente do COB

Itens apreendidos durante a operação no apartamento de André Richer Reprodução

LANCE!
05/10/2017
17:07
Rio de Janeiro (RJ)

Além da prisão temporária de Carlos Arthur Nuzman, presidente do Comitê Olímpico Brasileiro (COB), a segunda fase da operação Unfair Play (operações contra fraudes na escolha do Rio de Janeiro como sede dos Jogos Olímpicos de 2016) também cumpriu, nesta quinta-feira, mandatos de busca e apreensão em diversos imóveis. 

Dentre eles estava um apartamento em Ipanema, na Zona Sul do Rio de Janeiro, pertencente ao ex-presidente e atual vice-presidente do COB, André Richer. O local não é a atual moradia do cartola, e estava fazia. Não há mandado de prisão contra Richer.

No imóvel, foram encontrados sete revólveres, munição, mais de dez relógios de ouro, mais de R$ 95 mil e mais de US$ 5 mil. Não foi confirmado que os itens encontrados pertencem à André.

Alegando um 'estreito relacionamento' entre Nuzman e Richer, o Ministério Público Federal (MPF) solicitou os pedidos de busca. No dia cinco de setembro, foram apreendidos dois contratos entre os dois, o primeiro no valor de R$ 100 mil e o outro referente a um apartamento.

Além do atual presidente do COB, o ex-diretor da entidade Leonardo Gryner também foi preso. Ambos foram detidos em suas casas e levados para a sede da Polícia Federal.