Carlos Nunes, presidente da CBB (foto:Divulgação)

Carlos Nunes, presidente da CBB, encara a maior crise da história da entidade (Foto: Divulgação)

Jonas Moura
16/11/2016
19:06
Rio de Janeiro (RJ)

A Confederação Brasileira de Basquete decidiu não recorrer da decisão da Federação Internacional de Basquete (Fiba, na sigla em inglês) de suspender os brasileiros de seu quadro de filiados, o que deixa o país fora de qualquer competição sob tutela do órgão máximo da modalidade, pelo menos até 28 de janeiro de 2017.

Nesta quarta-feira, a diretoria da entidade se reuniu para debater quais ações tomará diante da maior crise de sua história. Depois, divulgou um comunicado em que voltou a declarar sua surpresa com a medida.

“A Diretoria da CBB foi surpreendida pela suspensão temporária da entidade, pois acreditava que todas as mudanças destacadas seriam e poderiam ser implementadas sem a suspensão, uma vez que a CBB nunca se opôs à força tarefa proposta pela Fiba”, disse a nota.

“A CBB reconhece o momento de dificuldade e entende a posição da Fiba, e não irá recorrer de sua decisão”, completou a entidade.

Em crise financeira, a CBB deverá passar por uma série de reformas para reverter a pena, que afeta as Seleções e os clubes. O cancelamento de uma etapa do Circuito Mundial 3x3 e a ausência em torneios de base desagradaram à Fiba.

O órgão também criticou a intervenção de terceiros no financiamento de atividades da Seleção, a falta de uma reforma antes das próximas eleições e dívidas, sem citar o valor.

Procurado pelo L!, o Ministério do Esporte informou que não tem mais recursos a liberar para a CBB em 2016, pois o único convênio em vigor está em fase final. Questionada sobre que providências tomará diante da suspensão, a pasta disse que irá aguardar a decisão final da Fiba.

“O Ministério do Esporte está acompanhando a situação do basquete brasileiro e aguardará a manifestação definitiva da Fiba sobre as tratativas com a CBB, o que deve acontecer no dia 28 de janeiro de 2017. O Ministério do Esporte reforça que tem todo o interesse na resolução do caso e acredita que as instituições envolvidas chegarão a um acordo para que o esporte brasileiro não seja prejudicado”, afirmou o órgão.

Confira abaixo a nota oficial da CBB

"A Diretoria da CBB reunida, nesta quarta-feira, analisou a correspondência da FIBA, e explica que foi surpreendida pela suspensão temporária da entidade, pois acreditava que todas as mudanças destacadas pela FIBA seriam e poderiam ser implementadas sem a suspensão da entidade, uma vez que a CBB nunca se opôs à força tarefa proposta pela FIBA.

O Sr. José Luis Saez, dirigente indicado pela FIBA, visitou a CBB em uma única oportunidade e recebeu todas as informações que solicitou e que também foram complementadas em correspondências posteriores.

A CBB reconhece o momento de dificuldade e entende a posição da FIBA, e não irá recorrer de sua decisão. Em entrevista coletiva na próxima segunda-feira, às 10h de Brasília, na sede do Comitê Olímpico do Brasil, a CBB irá apresentar sua posição em relação aos pontos abordados na carta da FIBA e as medidas que tomará independente das medidas que a força tarefa da FIBA poderá vir a adotar."