Ana Cláudia lemos

Ana Cláudia Lemos recebeu advertência após testar positivo para um esteróide (Foto: Ivan Storti/Lancepress!)

Felipe Domingues
16/04/2016
01:27
São Paulo (SP)

O julgamento da velocista Ana Cláudia Lemos, flagrada por doping em fevereiro desse ano pelo uso de Oxandrolona, um esteróide, terminou nessa madrugada em São Paulo (SP) com um resultado surpreendente. Após alegar contaminação cruzada em um de seus suplementos por conta de erros de uma farmácia de manipulação em seu remédio,, a competidora recebeu apenas uma advertência do Superior Tribunal de Justiça Desportiva do Atletismo. 

O julgamento que definiu a pena da atleta durou sete horas e aconteceu na sede da Confederação Brasileira de Atletismo (CBAt). Por 5 votos a 0, Ana foi condenada, porém, por 3 votos a 2, sua pena foi uma simples advertência. Os dois auditores que votaram por penas de tempo julgaram que a competidora deveria ser afastada por 6 e 4 meses, respectivamente.

Ainda assim, a procuradoria afirmou que irá recorrer à sentença, solicitando um período maior de afastamento da atleta, assim que o acórdão com o parecer oficial seja divulgado. Após o término da sessão, Ana deixou o local sem falar com a imprensa.

- A situação da Ana foi peculiar. O que posso dizer é que conseguimos juntar muitas provas da inocência dela. A batalha não está ganha ainda. Ainda há muitos recursos - disse o advogado da velocista, Marcelo Franklin.

Ana foi flagrada em um teste fora de competição, durante um camp de treinos da CBAt e notificada em março. Assim, a competidora solicitou uma contraprova do resultado, que reafirmou o exame positivo para o anabolizante, que serve para aumento de massa muscular e auxilia na recuperação de lesões.

A atleta é considerada uma das principais competidoras do país nas provas em velocidade no atletismo (100m e 200m), assim como nas disputas no revezamento. No Mundial de Revezamentos das Bahamas, em 2014, ela ajudou a Seleção Brasileira a conquistar a quarta colocação.

Término de julgamento tem 'cutucada' à ABCD por ambas as partes

Após o término da longa sessão de sete horas que culminou com apenas uma advertência para Ana Cláudia Lemos, o procurador responsável pela condução das acusações contra a atleta, Caio Medauar, afirmou que a presença da Autoridade Brasileira de Controle de Dopagem (ABCD) foi surpreendente. De modo negativo.

- Me espantou a presença da ABCD, já que ela apenas comparece nos julgamentos que quer. Talvez tenha vindo até esse pela relevância - disse.

O mesmo aconteceu com o advogado da atleta, Marcelo Franklin, responsável pelas defesas de João Gomes Jr. e Cesar Cielo nos últimos anos, alegando contaminação cruzada em ambos os casos.

- Me surpreendeu a presença e me surpreendeu a maneira combativa que eles agiram durante a audiência. Talvez eles tenham agido assim pela relevância da atleta no cenário brasileiro e mundial - disse Franklin.