Paralimpíadas Escolares - Cléber Teixeira Júnior (Foto Divulgação)

Paralimpíadas Escolares tiveram seu primeiro dia de competições nesta quarta (25)  (Foto: Divulgação)

RADAR/LANCE!
25/11/2015
22:50
Natal (RN)

Começaram, nesta quarta-feira (25), em Natal, no Rio Grande do Norte, as disputas das Paralimpíadas Escolares 2015. Com competições em oito modalidades (atletismo, bocha, natação, judô, goalball, tênis de mesa, futebol de 7 e tênis em cadeira de rodas), as Escolares conheceram logo pela manhã seus primeiros medalhistas. Um deles é Cleber Teixeira Júnior. Mineiro, ele é fã do velocista Alan Fonteles, campeão paralímpico em Londres 2012, e surgido na edição 2006 das Paralimpíadas Escolares.

Cleber, de 16 anos, chegou ao seu limite para deixar a pista de atletismo da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) com a medalha de prata nos 400m classe T35. O esforço foi tão grande que o menino precisou de atendimento médico após a prova. Recuperado, ele disse estar pronto para as outras provas que irá disputar em Natal, os 100m e os 1500m. Segundo o próprio atleta, o que aconteceu nesta quarta foi apenas mais um obstáculo superado em sua vida. Por falta de oxigenação na hora do parto, Cleber sofreu paralisia cerebral e perdeu força e movimentação nos membros.

- Éramos trigêmeos e eu era o menor bebê. Meus dois irmãos morreram no parto e eu ainda fiquei duas semanas na incubadora. Depois disso, só fui conseguir andar aos seis anos de idade. Mas hoje estou aqui correndo - contou o velocista.


Cleber disse que o desenvolvimento no atletismo foi mais rápido do que aprender a andar. O corredor começou a treinar há apenas três anos e já bateu recordes brasileiros juvenis nos 100m e nos 400m.

- Bati os dois recordes no ano passado. Foi para compensar 2013, quando tive problema na inscrição das Escolares e não pude competir - lembrou.

Hoje, o mineiro de Pirajuba sonha repetir os passos do ídolo Alan Fonteles nas pistas de atletismo.

- Ele também começou nas Paralimpíadas Escolares. Quando o conheci, há alguns meses, eu tinha perdido uma prova no Circuito Caixa Loterias, em São Paulo, mas ele me falou para não desanimar porque esporte é assim mesmo - disse Cleber.

As Paralimpíadas Escolares são organizadas pelo Comitê Paralímpico Brasileiro e têm como objetivo fortalecer o esporte adaptado já em sua base.