agberto guimarães

Agberto Guimarães será o novo diretor executivo do Comitê Olímpico do Brasil (Foto: Heitor Vilela/COB)

Jonas Moura
04/10/2016
17:20
Rio de Janeiro (RJ)

O presidente do Comitê Olímpico do Brasil, Carlos Arthur Nuzman, aproveitou a assembleia que o reelegeu nesta terça-feira, na sede da entidade, no Rio de Janeiro, para confirmar que Agberto Guimarães assume a direção executiva de esportes da entidade.

O ex-atleta do atletismo substitui Marcus Vinícius Freire, que deixou o cargo após os Jogos do Rio. Na ocasião, o Brasil ficou em 13º lugar no quadro de medalhas, abaixo da meta de ser top 10 em total de pódios.

– Preciso chegar, conversar com o pessoal e ver como eles estão. Quero transformar a participação do Brasil em finais em medalhas. Conheço o COB, mas preciso de dois ou três meses para tomar pé da situação, entender o trabalho que foi feito de fato. Mas, de qualquer forma, acredito que o foco é sempre na qualidade técnica, no resultado e na melhor performance. O trabalho que faremos será em parceria com as confederações para que possamos oferecer o melhor ambiente possível aos atletas – afirmou Agberto.

Natural de Tucuruí (PA), Agberto ingressou no COB em 1999. Na entidade, ajudou a montar o departamento de Ciências do Esporte e gerenciou os projetos da Solidariedade Olímpica no Brasil. Depois, atuou no Comitê Organizador dos Jogos Pan-americanos Rio 2007, como Diretor de Esportes.

Após o Pan, foi chamado a contribuir no Comitê de Candidatura e depois no Comitê Organizador Rio 2016. No Rio-2016, também como Diretor de Esportes, Agberto teve a tarefa de planejar e organizar todas as competições esportivas dos Jogos Olímpicos, como logística da competição e treinamento e as cerimônias de premiação.

– Poucos atletas no Brasil têm uma história tão rica e tão forte igual ao Agberto. Seu currículo é exemplar e eu me sinto extremamente envaidecido dele ter aceito o convite para assumir este cargo no COB. Agberto foi fundamental para o êxito dos Jogos Rio 2016 e agora vai contribuir para o desenvolvimento do esporte brasileiro em uma nova função. Temos a missão de seguir com o trabalho de evolução das diversas modalidades, em conjunto com as Confederações – disse Nuzman.