Luis Fernando Coutinho
23/03/2016
14:31
Rio de Janeiro (RJ)

Fabricio Werdum é dono de algumas das vitórias mais espetaculares do mundo das lutas. Acostumado com a posição de azarão, o gaúcho encara Stipe Miocic em disputa de cinturão dos pesados que acontece no UFC 198, dia 14 de maio, em Curitiba, e tem uma mensagem ao rival americano: apesar de respeitá-lo, não vai abrir mão da posição de favorito. Argumentos não faltam para isso.

Antes do evento que acontece na Arena da Baixada, para 45 mil pessoas, o campeão dos pesados falou em entrevista ao LANCE! sobre o duelo e comentou as recentes análises que apontam para uma ameaça de Miocic especialmente na luta em pé - ele nocauteou seus últimos dois rivais.  

- Miocic é um excelente lutador, mostrou isso, vai ter a chance dele e não é só a mão pesada, é tudo. Ele usa boxe bem, bota para baixo. Estou acostumado com isso porque acabei de lutar com o Cain. Miocic é mais alto, mas não penso no jogo dele. Estou consciente disso (que ele tem mão pesada) mas não boto em primeiro lugar. Todo mundo bate pesado nessa categoria. Vou fazer o meu jogo e vou fazer ele se preocupar comigo. Mostrei na última luta que meu muay-thai e meu chão estão apurados. Acho que quem tem que se preocupar é ele. Não estou querendo subestimá-lo, mas eu penso em mim, sou o campeão, vou fazer meu jogo, vou botar o meu ritmo e não tenho que ficar pensando nele - explicou o lutador, em conversa pelo telefone.

Diante de uma oportunidade única na carreira, Werdum diz já conseguir visualizar a emoção e os acontecimentos do dia 14 de maio de 2016.

- Não é só a minha luta, é o Anderson (Silva), o (Mauricio) Shogun, muita gente boa. Vai ficar para a história. Galera que tiver a oportunidade de fazer parte disso, aproveita. Na televisão é uma coisa, mas lá é outra energia. Esse evento vai ser bom para trazer varias coisas boas para nós. É muita corrupção no Brasil, isso será uma felicidade para a galera brasileira. São 45 mil pessoas, vai lotar, tenho certeza. Estou visualizando a emoção, a luta. Vou concentrado 100% para sair com a vitória. Depois quero poder falar com a galera no microfone. É algo que vai ficar pro resto da minha vida na minha cabeça - projetou o dono do cinturão.

Confira um bate-papo com Fabricio Werdum
Qual o tamanho dessa evento para o Brasil, na sua opinião?
Acho que a luta pelo cinturão dos pesados, primeira vez no Brasil, é tudo bem importante. É uma motivação extra, total, estou muito feliz. Sempre falei que queria lutar no meu país. Lutei com o Minotauro (Em Fortaleza, em 2013), mas não era torcida toda minha. Agora vai ser... Tá louco! Fico imaginando a emoção que vou sentir no dia. Esse momento vai ser muito especial pelo fato de ser no Brasil, num lugar que já morei, tem tradição na luta. Vai gente do Brasil inteiro participar desse momento.

Alguma surpresa planejada?
Vou fazer uma homenagem para uma pessoa especial. A galera vai ficar feliz de ouvir minha homenagem na entrada. Vai ser irado demais! Não posso falar.

Como você pretende trabalhar a parte psicológica para não sentir a pressão?
Estou me preparando mentalmente e através do treinamento fico tranquilo. Quanto mais vou treinando e os dias passando, mais tenho confiança. Não tenho problema de procurar psicólogo, mas não preciso disso. Tenho psicológico bem forte nesse ponto. Não me coloco pressão. É importante pela dimensão do evento, mas não é de fazer escândalo. Sei que vou fazer meu jogo e já era. Estou treinando bem e vou chegar na hora e ter gás e técnica para fazer o jogo certo e vencer. Não é pra tanto, pra ficar acuado.