Wilson Baldini Jr.
27/06/2016
07:15
São Paulo (SP)

O empresário Butch Lewis sabia que Mike Tyson passava por sérios problemas pessoais naquele 27 de junho de 1988. Por isso, ele se encaminhou até o vestiário do campeão unificado dos pesos pesados com a intenção de aumentar seu desequilíbrio emocional, mas durante o trajeto começou a escutar um barulho estranho. Parecia que um reforma estava sendo feita no Convencional Hall, em Atlantic City, Nova Jersey.

Quando Lewis entrou no vestiário, ele avistou Tyson, de mãos limpas, socando as paredes com uma fúria animal. Sua reação foi correr em direção ao seu pupilo, Michael Spinks, que era apontado como o "campeão do povo". O homem que havia três anos antes encerrado uma série invicta de 48 lutas de Larry Holmes.

Tyson vivia um relacionamento atribulado com a atriz Robin Givens, estava prestes a trocar de empresários (Bill Cayton por Don King) e acumulava problemas fora do ringue. Com as luvas calçadas, vivia um momento espetacular. Fazia sua terceira luta naquele ano. havia nocauteado Tony Tubbs, no Japão, em dois rounds, e o veterano campeão Larry Holmes, em quatro assaltos, apenas 97 dias antes de encarar Spinks. O Iron Man era o campeão pelo Conselho Mundial, Associação Mundial e Federação Internacional de Boxe. Somava 34 vitórias, com 30 nocautes.


Para muitos críticos, Spinks era o único em condições de bater Tyson. O campeão olímpico dos médios em Montreal-1976 também não sabia o que era perder: 31 triunfos, com 21 nocautes. A aposta era que a técnica poderia superar a força e davam como exemplo o feito de Muhammad Ali sobre George Foreman, no Zaire, em 1974.

O próprio Ali estava no ringue para ser anunciado, ao lado de Donald Trump, na época um jovem empresário de sucesso, que não conseguia parar de sorrir, graças aos US$ 215 milhões faturados no fim de semana da luta pelo seu hotel Trump Plaza, em Atlantic City.

O Convention Hall estava abarrotado, com 21.785 espectadores, que proporcionaram uma bilheteria de US$ 12,3 milhões. O sistema pay-per-view rendeu 600 mil assinaturas, com mais US$ 21 milhões arrecadados.

Tyson recebeu bolsa recorde de US$ 22 milhões, enquanto Spinks aumentou sua conta bancária em US$ 13,5 milhões.

Nas primeira fileiras estava Adilson Maguila Rodrigues, levado pelo narrador Luciano do Valle, da TV Bandeirantes. O brasileiro estava entre os possíveis adversários de Tyson. Coisa que nunca aconteceu.

Tanta expectativa, mas o duelo só levou 91 segundos. Arrasador, Tyson não deu chances a Spinks, atacou desde o início, golpeou tudo que teve pela frente e acabou derrubando o adversário duas vezes. A primeira com um upper de esquerda e a segunda com um direto de direita fortíssimo.

Spinks nunca mais lutou. Tyson nunca mais foi o mesmo. A história já tem 28 anos.