Dedé

               André Pederneiras falou francamente sobre doping com a imprensa na Nova União - (Foto: Erik Engelhart)

Erik Engelhart
20/07/2016
17:45
Rio de Janeiro (RJ)

Campeão interino dos penas, José Aldo e o seu treinador André Pederneiras receberam a imprensa nessa quarta-feira (20), na academia Nova União, no Rio de Janeiro e abordaram diversos assuntos polêmicos como o uso de doping, por exemplo.

O treinador insinuou que durante a preparação de José Aldo para enfrentar Conor McGregor, os lutadores tiveram tratamento diferente durante os testes feitos antes do evento, que aconteceu em dezembro de 2015.

- Pedi para que os dois fossem testados três vezes por semana, mas eles disseram que era muito caro. Eu disse: 'Eu pago'. Isso em uma mesa com o Dana, o Lorenzo e o Jeff Novitzky (vice-presidente de Saúde e Performance dos Atletas do UFC). Mas não aconteceu e o Conor ficou dois meses e dois dias sem ser testado. O Aldo fez o mesmo número de testes que o Conor, quatro, só que ele foi testado 20 dias após o "Go Big", que teve em Las Vegas (EUA), em setembro, depois 45 dias a frente, 60 dias depois, enfim... Com o espaçamento perfeito, para que o atleta não tome nada. Já o Conor só foi testado nas últimas duas semanas e meia para a luta, quando estava em Los Angeles, ele foi testado quatro vezes. Assim você não vai pegar ninguém nunca - disparou Pederneiras.

Desde que a USADA assumiu o controle antidopagem do Ultimate, a franquia tem tido prejuízos, como o recente caso de Jon Jones, que teve deixar o maior evento da história da companhia, o UFC 200, a três dias da luta contra Daniel Cormier, por conta de uso de doping.

O mais recente caso foi o de Brock Lesnar, que recebeu a maior bolsa da história do UFC, mas caiu em dois exames antidoping, um antes e outro no dia da luta. Pederneiras avaliou com frieza a atual fase que vive o UFC com o cerco aos dopados.

- No ano passado, eu disse que o UFC teria que pensar o que queria fazer: ser o show business ou o esporte, porque abraçar as duas ideias ao mesmo tempo uma hora ia dar m*. Aí correu a notícia pelo mundo inteiro das pessoas dizendo que eu era favorável ao doping, mas hoje em dia está acontecendo o que falei lá atras, que muitos ignorantes não entenderam na época. O Jon Jones foi pego e desfalcou o UFC 200 a três dias da luta. O Brock Lesnar, o maior vendedor de pay per view da história foi pego antes e depois de sua luta com o Hunt. O Chad Mendes a gente cantou a bola, disse que ele poderia tomar o suco que quiser, que ia perder aqui no Brasil, não deu outra, ele foi pego no doping - disparou Dedé, afastando as insinuações, de que os atletas brasileiros são os que mais se dopam. 

- Os caras não nascem mais fortes do que a gente, o que eles tem é um laboratório muito melhor do que o nosso, uma farmácia muito melhor que a nossa ou uma maneira muito melhor de manipular o doping do que a nossa. Então essa história de que o brasileiro é quem mais se dopa é balela e a verdade está aparecendo agora - encerrou.