icons.title signature.placeholder Carlos Antunes
icons.title signature.placeholder Carlos Antunes
25/08/2015
10:10

A rivalidade entre Fabricio Werdum e Junior Cigano se iniciou em 2008, quando o catarinense, em sua estreia no Ultimate, surpreendeu o "Vai Cavalo" com um nocaute. Anos depois, sempre é especulada uma revanche entre os dois. Agora com o gaúcho campeão dos pesados da organização, Cigano, através das redes sociais, publicou um vídeo dando a entender que o detentor do título estava com medo de enfrentá-lo. Essa postagem não passou despercebida pelo treinador de Werdum, Rafael Cordeiro, que rebateu a acusação.

Em entrevista ao LANCE!, o líder da Kings MMA foi duro nas respostas e afirmou que seu compatriota foi desrespeitoso na provocação. Segundo Cordeiro, Cigano ainda tem que fazer por merecer uma chance pelo título contra seu pupilo e mostrar suas técnicas dentro do octógono, ao invés de falar, e garantiu que Werdum não tem medo de ninguém.

- Tenho bom relacionamento com o Luiz Dórea (técnico do Cigano), com o próprio (Junior) Cigano e quando rolou isso achei muito estranho. Acho que ele deve respeitar o Werdum, pela história que tem. Eles com certeza vão lutar de novo, vai acontecer, caso o Cigano continue fazendo por merecer. Nessa categoria não se pode falar essa história de medo, senão pode morrer pela boca. A última luta dele não foi extraordinária para ele falar isso tudo. O campeão não tem medo de ninguém, e medinho é algo que não existe. Isso foi uma falta de respeito. Quer aparacer, mostre dentro do octógono, com técnicas - afirmou ao L!, em conversa por telefone.

Sobre o duelo de Werdum contra Velásquez, em revanche pelo cinturão dos pesados, confirmado pelo Ultimate recentemente, mas ainda sem data e nem local para acontecer, Cordeiro garantiu que achou justo o reencontro para tirar "desculpas" que caíram sobre o americano, já que antes de encarar o "Vai Cavalo" ele estava há dois anos parado e atuou na altitude da Cidade do México. Para o técnico, agora seu pupilo vai mostrar que é o campeão de verdade.

- Depois da luta foi falado muito sobre essa questão do Cain estar parado há dois anos, a altitude e pensamos em botar na balança isso tudo, ainda mais pela história do Velásquez. Agora vamos mostrar quem é o campeão de verdade sem dar margem para essa falação. Nas últimas lutas do Fabricio, ele sempre foi superior que o adversário e olha que ainda não chegou ao seu ápice, ainda vai melhorar muito. O Velásquez já foi campeão, ganhou de muita gente boa, mas pegou um Werdum com uma motivação e um plano de luta perfeitos - contou.

Werdum comemora unificação dos cinturões dos pesados (FOTO: Divulgação/UFC)

Segundo Cordeiro, esse novo confronto entre Werdum e Velásquez vai ser uma grande atração para a história dos pesados no Ultimate. O treinador também relembrou as provocações que a equipe de Cain fez antes da primeira luta e alfinetou.

- Antes da primeira luta a equipe do Cain falou muita coisa e achei uma arrogância grande da parte deles. Eles têm que cuidar da boca. Treinador não é para ficar falando assim. Mas sim, para ajudar seu atleta a treinar duro e fazer seu melhor dentro do octógono - completou o técnico.

A rivalidade entre Fabricio Werdum e Junior Cigano se iniciou em 2008, quando o catarinense, em sua estreia no Ultimate, surpreendeu o "Vai Cavalo" com um nocaute. Anos depois, sempre é especulada uma revanche entre os dois. Agora com o gaúcho campeão dos pesados da organização, Cigano, através das redes sociais, publicou um vídeo dando a entender que o detentor do título estava com medo de enfrentá-lo. Essa postagem não passou despercebida pelo treinador de Werdum, Rafael Cordeiro, que rebateu a acusação.

Em entrevista ao LANCE!, o líder da Kings MMA foi duro nas respostas e afirmou que seu compatriota foi desrespeitoso na provocação. Segundo Cordeiro, Cigano ainda tem que fazer por merecer uma chance pelo título contra seu pupilo e mostrar suas técnicas dentro do octógono, ao invés de falar, e garantiu que Werdum não tem medo de ninguém.

- Tenho bom relacionamento com o Luiz Dórea (técnico do Cigano), com o próprio (Junior) Cigano e quando rolou isso achei muito estranho. Acho que ele deve respeitar o Werdum, pela história que tem. Eles com certeza vão lutar de novo, vai acontecer, caso o Cigano continue fazendo por merecer. Nessa categoria não se pode falar essa história de medo, senão pode morrer pela boca. A última luta dele não foi extraordinária para ele falar isso tudo. O campeão não tem medo de ninguém, e medinho é algo que não existe. Isso foi uma falta de respeito. Quer aparacer, mostre dentro do octógono, com técnicas - afirmou ao L!, em conversa por telefone.

Sobre o duelo de Werdum contra Velásquez, em revanche pelo cinturão dos pesados, confirmado pelo Ultimate recentemente, mas ainda sem data e nem local para acontecer, Cordeiro garantiu que achou justo o reencontro para tirar "desculpas" que caíram sobre o americano, já que antes de encarar o "Vai Cavalo" ele estava há dois anos parado e atuou na altitude da Cidade do México. Para o técnico, agora seu pupilo vai mostrar que é o campeão de verdade.

- Depois da luta foi falado muito sobre essa questão do Cain estar parado há dois anos, a altitude e pensamos em botar na balança isso tudo, ainda mais pela história do Velásquez. Agora vamos mostrar quem é o campeão de verdade sem dar margem para essa falação. Nas últimas lutas do Fabricio, ele sempre foi superior que o adversário e olha que ainda não chegou ao seu ápice, ainda vai melhorar muito. O Velásquez já foi campeão, ganhou de muita gente boa, mas pegou um Werdum com uma motivação e um plano de luta perfeitos - contou.

Werdum comemora unificação dos cinturões dos pesados (FOTO: Divulgação/UFC)

Segundo Cordeiro, esse novo confronto entre Werdum e Velásquez vai ser uma grande atração para a história dos pesados no Ultimate. O treinador também relembrou as provocações que a equipe de Cain fez antes da primeira luta e alfinetou.

- Antes da primeira luta a equipe do Cain falou muita coisa e achei uma arrogância grande da parte deles. Eles têm que cuidar da boca. Treinador não é para ficar falando assim. Mas sim, para ajudar seu atleta a treinar duro e fazer seu melhor dentro do octógono - completou o técnico.