Peso leve foi a knockdown duas vezes no primeiro assalto, mas mostrou raça e permaneceu no duelo para conquistar um grande nocaute

             Luan foi a knockdown duas vezes, mas mostrou raça e conquistou nocaute (FOTO: Divulgação/Brave CF)

LANCE!
15/08/2017
10:44
Rio de Janeiro (RJ)

Em uma noite com diversas interrupções e lutas emocionantes, era preciso que um lutador tivesse uma performance realmente espetacular para se destacar e ganhar os bônus de Nocaute e Finalização do Brave 8: The Rise of Champions. Luan "Miau" Santiago e Eduardo "Camelo" Ramon fizeram exatamente isso, partindo para cima de seus adversários, terminando seus combates antes da hora e sendo premiados por nocaute e finalização, respectivamente, sobre Igor Soares e Rogério Santos.

Tendo que enfrentar um oponente totalmente diferente após ver Eric Parrudo deixar o Brave 8 a três dias do evento, Luan "Miau" Santiago teve dificuldades com Soares. Eleito o Lutador do Ano em 2016 pelo Prêmio Oswaldo Paquetá, o peso leve foi a knockdown duas vezes no primeiro assalto, mas mostrou raça e permaneceu no duelo para conquistar um grande nocaute.

Em um dos raros momentos onde Igor Soares não estava andando para frente, Luan fintou um golpe com a mão direita e soltou um uppercut que derrubou o adversário. "Miau" apenas conferiu o trabalho já feito, conquistando sua segunda vitória no Brave, as duas por nocaute no primeiro round. Ele agora quer lutar em uma edição fora do Brasil.

- Eu espero que esse bônus e esses nocautes me levem para uma luta internacional. Quero enfrentar o Ottman Azaitar lá fora e quero que ele pare de correr e me enfrente logo - provocou Luan, referindo-se ao peso leve marroquino, um dos principais nomes do Brave.

Já "Camelo" vinha se preparando há alguns meses para Rogério Santos e mostrou na hora da luta que sua academia, a Evolução Thai, se destaca também por seus lutadores de chão. Ele se deu bem na parte de wrestling contra Santos e não se desesperou quando precisou fazer guarda, atacando o braço do adversário e fazendo-o desistir.

- Esse é um sonho para mim. Lutar em uma promoção grande, internacional e ter milhões de pessoas vendo minha luta. Sou faixa-preta de jiu-jitsu e represento a Arte Suave então ter um bônus de finalização é incrível. Eu fiz um camp de três meses para essa luta e estava muito bem preparado. Ainda não estou acreditando que consegui vencer no Brave. Muito bom poder mostrar o trabalho dos meus treinadores André Dida e Serginho Moraes - comentou Ramon.