Treinos aberto do UFC - Antonio Cara de Sapato (Foto: Reginaldo Castro/LANCE!Press)

Antonio Cara de Sapato foi campeão da terceira edição do TUF Brasil (Foto: Reginaldo Castro/LANCE!Press)

Carlos Antunes
09/02/2016
12:05
Rio de Janeiro (RJ)

A última vez que Antonio Cara de Sapato pisou no octógono durou apenas 15 segundos. No duelo contra Kevin Casey, o americano acusou um dedo no olho e a peleja acabou No Contest (luta sem resultado). No entanto, o faixa-preta de jiu-jitsu estará de volta no dia 20 de março, no UFC Brisbane, quando encara o anfitrião Daniel Kelly. Em entrevista ao LANCE!, o lutador comentou o que espera do duelo e garantiu ter boas recordações da Austrália.

- Ele é um atleta olímpico de judô, já foi para as Olimpíadas quatro vezes. Ele é bem experiente, vai lutar em casa, mas também tenho boas lembranças da Austrália. Já visitei boa parte do país e foi uma temporada ótima. Talvez os melhores anos da minha vida e quero continuar com boas memórias de lá, para isso tenho que vencer (risos). Vou tentar ir um pouco antes para não ter problemas com o fuso, mas acho que vou me acostumar rápido com isso. Da outra vez que tive lá me adaptei tranquilo - afirmou.

Com seu adversário sendo um especialista em judô, este fato é um bom sinal para Cara de Sapato. O brasileiro é faixa-preta de jiu-jitsu e tem como carro-chefe o jogo de solo. Dessa maneira, ele espera que essa luta seja desenrolada no chão, mas não descartou usar outra estratégia.

- Ele vai querer levar para o chão, usar aquela queda de quadril bem do judô. Ele vai ter que colar em mim e onde é me sinto mais confortável, cresci fazendo isso. A melhor arma dele me favorece. Sei que ficar por baixo não é bom, mas de qualquer forma estarei confortável. Também tenho ideia de surpreender em outras coisas - garantiu o atleta da American Top Team.

Depois de uma passagem pela equipe Nova União, Cara de Sapato migrou para a American Top Team no meio de 2015 para buscar evolução, principalmente na parte de wrestling. Quase um ano no novo time, o lutador adiantou que está vendo com bons olhos esse crescimento técnico e elogiou a ATT.

- Está bem legal. Agora estamos de casa nova, com uma estrutura enorme. Continuo treinando com o Katel (Kulbis), King Mo, Parrumpinha... Está sendo bem tranquilo e vejo que suprindo bem minhas necessidades. Vejo que desde da minha última vitória, tenho evoluído bem no wrestling, onde queria melhorar. Já me sinto bem confortável com isso. Tem uma galera incrível que me dá suporte e sinto minha evolução - garantiu o lutador.