Buchecha

Luca Atalla/ Gallerr

LANCE!
08/06/2016
18:30
Los Angeles (EUA)

Determinação, garra e superação. Foram dez meses entre uma cirurgia delicada no joelho, sessões diárias de fisioterapia, musculação e muita, muita dúvida se conseguiria retornar aos tatames. Mas todo o esforço valeu a pena.

No último domingo, dia 5 de junho, em Long Beach, na Califórnia, Marcus Buchecha se tornou o primeiro atleta a conquistar quatro títulos Mundiais no absoluto, categoria mais importante da arte-suave. Além do absoluto, o faixa-preta ainda conquistou o tetracampeonato na categoria pesadíssimo.

- A ficha ainda não caiu. Consegui algo que ninguém havia conseguido antes... Eu nunca treinei com esse objetivo e nunca achei que um dia chegaria tão longe. Nunca foi meu foco e nem a minha motivação treinar para quebrar recordes. Mas, depois do ano que passou, com a lesão que eu enfrentei, muita coisa mudou, principalmente a minha cabeça e o meu Jiu-Jitsu. Acho que estou muito melhor, estou mais preciso e com mais pressão no meu jogo. A sensação agora é de missão cumprida. Estou muito feliz e realizado. Consegui superar os problemas e dar o meu melhor para alcançar esse feito histórico no Jiu-Jitsu - contou Buchecha.

A lesão e o tempo de reabilitação foram os momentos mais delicados da carreira do lutador, mas também foram importantes para Buchecha blindar a mente e voltar confiante para os tatames. Após ficar de fora do World Pro, em Abu Dhabi, por ainda não se sentir 100%, o paulista chegou ao mundial resoluto. O único momento de insegurança foi na final do absoluto contra Erberth Santos, quando o adversário atacou uma chave de joelho.

- O médico achou que eu levaria um ano para voltar 100% ao nível competitivo. Conversei bastante com ele e fiz tudo certo para conseguir voltar em dez meses. Em Abu Dhabi, eu ainda estava muito inseguro, por isso achei melhor não lutar e focar na volta para o Mundial. No Mundial estava muito seguro. Apenas na final houve um momento que fiquei um pouco preocupado, porque o Erberth pulou em uma leg-lock exatamente no joelho onde eu sofri a cirurgia. Ali eu dei uma segurada, não quis arriscar para tentar sair de qualquer jeito e colocar tudo a perder. Mas foi apenas um breve momento, porque depois consegui tirar o joelho e coloquei na guarda 50/50 - revelou.

Aos 26 anos, Buchecha já possui oito títulos mundiais na faixa-preta e caminha a passos largos para bater Roger Gracie, que possuiu dez títulos (sete no peso e três no absoluto). O atleta da Checkmat estava decidido a migrar para o MMA após o Mundial, mas, após o feito histórico, preferiu deixar o futuro em aberto.

- Eu me senti muito bem nesse Mundial. Acho que ainda tenho muita lenha para queimar. Não sei o que vou fazer ainda, mas não tem como largar o Jiu-Jitsu assim. Consegui conquistar muita coisa, foram oito títulos mundiais só na faixa-preta, e tenho apenas 26 anos. Muita gente achou que não daria mais pra mim, que a nova geração estava chegando com tudo, mas eu provei que ainda estou competindo em alto nível. Vou deixar meu futuro em aberto, ainda está cedo para tomar alguma decisão, mas acredito que ano que vem estarei lutando o Mundial novamente - encerrou o campeão.