Luis Fernando Coutinho
28/09/2016
16:25
Rio de Janeiro (RJ)

Vicente Luque foi um dos destaques do UFC Brasilia, realizado no último dia 24 de setembro. Apesar das duas primeiras vitórias no octógono acontecerem por finalização, o atleta fez questão de usar sua vitória contra Hector Urbina para lembrar aos fãs que tem por origem a trocação. Oriundo do muay thai, ele nocauteou o rival no primeiro round e espera que a terceira vitória consecutiva possa o levar a enfrentar um top 15 da divisão dos meio-médios.

Em entrevista ao LANCE!, Luque falou sobre sua performance no evento, comemorou o nocaute e projeta seu retorno em dezembro ou janeiro.

- O nocaute era questão de tempo. Venho da trocação, é a minha casa. Tenho mais de 16 anos de muay thai e eu venho da trocação, aquilo é a minha casa, queria mostrar mais aos fãs. Sabia que o Hector vinha para trocar. Foi o momento perfeito para mostrar meu poder de nocaute ao público. O primeiro plano é descansar umas duas semanas e depois já quero voltar a treinar. Queria lutar mais uma vez esse ano, em dezembro ou janeiro. Quero enfrentar um top 15 já que venho de três vitórias seguidas. É um bom momento - afirmou o lutador, em conversa pelo telefone. 

Luque, apesar de nascido em New Jersey (EUA), foi criado em Brasília (DF). Ele comemorou a apresentação diante da família e dos amigos e disse que precisou manter a cabeça no lugar para controlar a ansiedade.

- Foi muito bom lutar em Brasília, tinha muita gente da família no ginásio. Todos estavam lá para me assistir. Tinham mais de 300 pessoas lá. Foi muito especial. No dia seguinte fizemos uma comemoração, ficamos felizes. Acho que tudo tem um lado positivo e um negativo. Tentava me agarrar ao máximo às coisas positivas. Muitas vezes, lutando em casa queremos ganhar e dar show para torcida. Eu tentava pensar que tenho a chance de levar tudo da maneira mais  positiva possível - explicou.

Vencedor de um dos prêmios de performance da noite, Vicente levou uma premiação de US$ 50 mil (cerca de R$ 160 mil). Ele vai economizar o dinheiro ganho com a luta.

- Ganhei o prêmio, mas penso mais em guardar o dinheiro e mais na frente poder comprar uma casa ou algo assim. Acho que botar na poupança para render é melhor - declarou.